Total de visualizações de página

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

"Quando morre uma pessoa amada e importante, é como se fôssemos levados até a entrada de uma caverna. No dia da morte entramos na caverna e a saída não é pela mesma abertura por onde entramos, pois não encontraremos a mesma vida que tínhamos antes. A vida que será conhecida a partir da perda nunca será a mesma de quando a pessoa amada estava viva. Para sair dessa caverna do luto é preciso cavar a própria saída.

Essencialmente, o luto é um processo de profunda transformação. Há pessoas que podem transformar nossa temporada na caverna em um período menos doloroso, mas não podem fazer o trabalho por nós. A tarefa mais sensível do luto é restabelecer a conexão com a pessoa que morreu por meio da experiência compartilhada com ela. A revolta, o medo, a culpa e outros sentimentos que contaminam o tempo de tristeza acabam prorrogando nossa estadia na caverna e podem nos conduzir a espaços muito sombrios dentro de nós.É mágico como a dor passa quando aceitamos a sua presença. 
Olhemos para a dor de frente, ela tem nome e sobrenome. 
Quando reconhecemos esse sofrimento, ele quase sempre se encolhe. 
Quando negamos, ela se apodera da nossa vida inteira."

Ana Claudia Quintana Arantes




Nenhum comentário:

Postar um comentário