Total de visualizações de página

terça-feira, 31 de julho de 2012

Abismo

"Uma vez me falaram que amar é se jogar de um precipício sem saber se lá embaixo vai ter alguém para segurar a gente. Foi a melhor definição de amor que já ouvi." 

 - Clarissa Corrêa


segunda-feira, 30 de julho de 2012

Redescobertas

"Ela falava de sonhos sem medo de parecer ridícula. Gostava da leveza descompromissada de vez ou outra marcar encontro com seu livro favorito. Colecionava filmes água com açúcar sem se preocupar com o que achavam do seu intelecto. Enquanto todos buscavam o dourado do sol, ela comemorava o cheiro da chuva perfumando a casa. Afinal, era feita de barro, podia ser moldada de acordo com os dias e se o resultado não fosse o esperado, se deixava quebrar e se refazia.

 Redescobriu novos sabores nas palavras: tranquilidade, equilíbrio, alegria, palavras conhecidas que agora eram degustadas, lambuzadas, vividas. Descobriu com tristeza pessoas vazias. Não sabia se existia culpa, apenas identificou uma necessidade urgente de atenção, cuidado, tempo. Pois é, a gente precisa dedicar um pouco mais tempo pra um sorriso, um abraço, um conte comigo. Pessoas ficam amargas porque ficam por muito tempo sem experimentar o doce sabor da palavra gentileza. Só consegue ser gentil quem não espera nada em troca. Estava agora, em um de seus passeios noturnos a conversar com o vento. E quando a noite era só breu, enfeitava os cabelos com estrelas para clarear os pensamentos." 

 - Renata Fagundes

domingo, 29 de julho de 2012

Carpinejar

"Não me dou paz sequer um segundo. Medo imenso de perder as amizades, de apertar demais as palavras e estragar o suco, de ser violento com a respiração e virar asma.(...)0 Brigo com o bom senso. Ou sinto calor demais ou sinto frio demais. Uma ânsia de ser feliz maior do que a coordenação dos braços. Um arroubo de abraçar e de se repartir, de se fazer conhecer, que assusta. Parece agressivo, mas é exagerado. Conto tragédias de forma engraçada, falo de coisas engraçadas como uma tragédia. Nunca o riso ou o choro acontece quando quero. Cumprimento como se fosse uma despedida. Desço a escada de casa ao trabalho com resignação, mas subo na volta pulando os degraus. Esse sou eu: que vai pela esperança da volta." 

 - Fabrício Carpinejar

sábado, 28 de julho de 2012

O AMANHÃ NÃO EXISTE

"As pessoas não são eternas. Pelo menos não na vida terrena. Elas apenas passam, vivem o tempo que lhes é ofertado e retornam à terra. Ninguém pode acrescentar um segundo sequer à sua vida ou à de alguém. Não temos esse poder e quando a hora chega, ela chega. 

Mas preferimos não pensar nisso. Julgamos que temos todo o tempo do mundo para fazer isso ou aquilo, para recuperar o perdido, para sarar o ferido e restabelecer a paz. Amanhã eu ligo, amanhã eu faço, amanhã peço perdão, amanhã me reconcilio, amanhã... como se pudéssemos segurar o amanhã nas nossas mãos! Como se ele fosse chegar por nossa vontade e trazer tudo como ontem ou como hoje! Amanhã? Hoje é o amanhã de ontem e tudo continua na mesma, por que espera-se pelo amanhã. 

 Cada qual tem sua história e suas histórias. Cada qual sua cruz e suas dores, suas alegrias, seus lamentos, seus dissabores, seus ganhos e perdas. É o que nos forma como pessoas, que nos dá a impressão de existir, de fazer parte do universo. E há, assim, como com milhares de outros, relacionamentos quebrados, porque um dia alguém feriu e foi ferido. Quando isso acontece, construímos em volta do nosso coração um muro, uma barreira que o outro não pode atravessar. Nos sentimos tão importantes com isso que nem percebemos que esse muro impede o outro de entrar, mas nos impede, a nós, de sair. Nos tornamos prisioneiros, aprisionados das nossas idéias e nossas mágoas. Não estendemos a mão e recusamos a do outro, caso nos estenda. Enquanto isso, a vida continua. Não damos, talvez para punir e não recebemos, como punição que nos infligimos a nós mesmos, inconscientemente. Vamos deixar para amanhã para resolver isso, porque hoje estamos magoados demais, não conseguimos perdoar e não queremos dar o braço a torcer, afinal, não erramos. 

E eu diria, como Cristo, quem nunca errou, que atire a primeira pedra! Amanhã não existe. O amanhã, só o conhecemos quando o sol nasce e que o Senhor nos dá aquele dia a mais. E todo mundo não chega lá. Não podemos afirmar que estaremos ainda aqui, porque a vida é imprevisível, às vezes temos o sentimento que é mesmo cruel. Se o hoje nos é ofertado, por que não viver sem grades e sem muros, em comunhão com o mundo e com Deus? O orgulho? Olhe para ele de cara feia e diga: eu quero é ser feliz e se eu quero, eu vou ser feliz! Muros nos impedem de abraçar, de sentir o calor ou as batidas do coração do outro. Nos impedem de dar e de receber, nos transformam em pessoas separadas e isoladas. Destrua, então, com coragem, dessa que só os grandes possuem, esse muro em volta do seu coração e volte a abraçar. 

Perdoe, mesmo se perdão não foi solicitado, porque cada qual deve dar conta da sua vida a Deus e a outra pessoa responderá por si mesma. Liberte-se , porque se o amanhã não vier para a outra pessoa, você terá que aprender a conviver com seu coração fechado e terá perdido os melhores anos da sua vida. 

- Letícia Thompson

Sem regras

"Eu espero que a vida te surpreenda e que você não se prenda, não se acanhe, não duvide. Porque parte das coisas boas vem das lutas, mas a outra parte vem sem avisar. Eu desejo que os dias te peguem desprevenido, desajeitado, despreocupado. Afinal, o que não foi programado também funciona, nem toda ação inesperada merece ser descartada e algo não planejado pode vingar. A regra às vezes é não ter regra. E via de regra, funciona!" 

 - Fernanda Gaona

sexta-feira, 27 de julho de 2012

"Ao aceitar a realidade da maioria, anulo minha individualidade, excluo minha posição pessoal. A maior vantagem do cidadão normal, que cumpre todas as suas obrigações, é a IRRESPONSABILIDADE. Seguindo a regra de todos, ou procurando satisfazer continuamente as expectativas dos que me cercam, não tenho vez para inventar uma solução. Em compensação, não corro risco algum". 

 - Gaiarsa  (Tratado geral sobre a fofoca: uma análise da desconfiança humana)

quinta-feira, 26 de julho de 2012

"É necessário abrir os olhos e perceber que as coisas boas estão dentro de nós, onde os sentimentos não precisam de motivos nem os desejos de razão. O importante é aproveitar o momento e aprender sua duração, pois a vida está nos olhos de quem sabe ver". 

 - Paulo Coelho

quarta-feira, 25 de julho de 2012

‎"Às vezes você tem que morrer por dentro para levantar-se das suas próprias cinzas e acreditar em si mesmo e amar a si mesmo para se tornar uma nova pessoa." 

- Susana Hilmer

terça-feira, 24 de julho de 2012

"Há que se lutar pelos sonhos, mas há que saber também que, quando certos caminhos se mostram impossíveis, é melhor guardar as energias para percorrer outras estradas".

 - Paulo Coelho

segunda-feira, 23 de julho de 2012

Semeando

"Hoje, neste tempo que é seu, o futuro está sendo plantado. As escolhas que você procura, os amigos que você cultiva, as leituras que você faz, os valores que você abraça, os amores que você ama, tudo será determinante para a colheita futura." 

 - Padre Fábio de Melo

domingo, 22 de julho de 2012

"Todas as batalhas na vida servem para ensinar-nos algo, inclusive aquelas que perdemos".

 - Paulo Coelho

sábado, 21 de julho de 2012

Se

‎"Se nada nos salva da morte, pelo menos que o amor nos salve da vida." 

 Pablo Neruda

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Prece

'Eu peço a Deus tudo o que eu quero e preciso. É o que me cabe. Ser ou não ser atendida - isso não me cabe a mim, isso já é matéria-mágica que se me dá ou se retrai. Obstinada, eu rezo. Eu não tenho o poder. Tenho a prece.' 

- Clarice Lispector

quinta-feira, 19 de julho de 2012

Nunca se detenha

"Enquanto estiver vivo, sinta-se vivo. Se sentir saudades do que fazia, volte a fazê-lo. Não viva de fotografias amareladas... Continue, quando todos esperam que desistas. Não deixe que enferruje o ferro que existe em você. Faça com que em vez de pena, tenham respeito por você. Quando não conseguir correr através dos anos, trote. Quando não conseguir trotar, caminhe. Quando não conseguir caminhar, use uma bengala. Mas nunca se detenha."

- Madre Teresa de Calcutá

quarta-feira, 18 de julho de 2012

Chico Xavier

"E guardemos a certeza pelas próprias dificuldades já superadas
 que não há mal que dure para sempre." 

Chico Xavier

terça-feira, 17 de julho de 2012

A etiqueta da separação

"Quando tudo acaba, só há duas saídas: o alívio ou a dor. 
No primeiro caso, fica mais fácil (não para o outro, claro), mas, no segundo, a coisa muda de figura e é preciso muito autocontrole para não se tornar uma pessoa péssima. 

A vida é assim; as coisas começam e terminam, mas existem pessoas que não aprenderam a lidar com isso. Normalmente, as imaturas, de quem nada se pode tirar, pois elas não admitem que o outro pode mudar e querer novas experiências, fazer novas descobertas e seguir adiante. 

Pensei nisso ante a verdadeira epidemia de separações no mundo das celebridades, e, se elas que estão sob os holofotes andam se separando, é sinal de que os romances não estão chegando ao fim só para os vips. Uma telespectadora me perguntou no programa de Ana Maria Braga quanto tempo se deve levar para aparecer ao lado do próximo namorado depois do fim de seu relacionamento. Ora, nenhum. Cada um é dono de si. Mas pega bem respeitar um certo tempo regulamentar antes de postar uma foto no Facebook ao lado do novo grande amor, sob pena de transmitir ao mundo que as relações para você são voláteis e sem importância. 

Depois do fim de qualquer relacionamento, seja ele amoroso ou profissional, a primeira coisa a ser feita é sumir. Dar um tempo dos mesmos lugares, dos mesmos amigos e curtir a dor. Não dá simplesmente para fingir que ela não existe e não machuca. Você pode se cercar de um monte de gente, cair na gandaia de bar em bar, mas, na hora do travesseiro — aquela —, é o sentimento de luto que prevalece e você, mais cedo ou mais tarde, vai ter de encará-lo. Como seria bom apagar o passado e esquecer as brigas, o sofrimento, o rosto da pessoa amada e sobretudo os bons momentos, que um dia foram a razão da sua vida e hoje doem tanto. Mas como seria horrível não se lembrar de nenhum deles. Não há olhar mais bonito do que aquele com um fundinho de fossa, sinal de sobrevivência e muita força para seguir adiante. Mas esse olhar só tem beleza quando você não faz dele uma bandeira. 

Se ainda não se sente firme para dar a volta por cima, segure a onda e fique em casa. As pessoas até ouvem o primeiro e o segundo desabafos, mas, no terceiro, você se torna inconveniente. Para isso existe um bom terapeuta, que tem habilidade técnica necessária para ajudar a reverter o ressentimento. O termo, aliás, é o mais adequado: ressentir, sentir de novo e sentir sempre aquilo que simplesmente não deveria mais existir ou que deveria se transmutar em algo melhor, mais útil, como a sede de não cometer mais os mesmos erros e se corrigir. 

Não adianta, portanto, fazer do ouvido dos amigos um consultório público — eles podem até lhe dar aquela força nos momentos de maior angústia, mas procure eleger uns dois ou três de confiança e, ao resto, só flores. De preferência, dois ou três amigos que o aconselhem a virar a página e seguir em frente. Não aqueles que fomentem o ódio ou a mágoa. Porque pior que a tristeza, só o ódio. Procure não falar mal de quem você tanto amou ou de alguém com quem tenha trabalhado sob pena de parecer você sabe o quê. Foi bom enquanto durou, o que passou passou. Pode não ter dado certo com você, mas quem sabe com os outros? E, enquanto deu certo, confesse, vocês foram muito felizes. Poucas situações são tão tristes quanto uma ex que fala mal do ex, um empregado que reclama do antigo trabalho, um chefe que detona o ex-funcionário, um ex-amigo que conta as maiores futricas do antigo companheiro de todas as horas. 

Depois de chorar muito e arrastar corrente, o próximo passo é parar de culpar o outro e pensar o que você — é, você — poderia melhorar da próxima vez (apesar de jurar que ela não vai chegar nunca, ela sempre chega). Porque, no fim de uma relação, não existem anjos ou demônios, vítimas ou algozes. Todo mundo erra e, numa desavença, não existe apenas um culpado. Para seguir adiante, é preciso olhar para si e resolver seus próprios fantasmas. Perdoar sempre, esquecer jamais? Quem inventou essa frase deve carregar um peso enorme; nada melhor do que esquecer o que passou de ruim, as palavras mal ditas num momento de raiva. 

Leva um tempo, que pode ser curto ou longuíssimo, mas a vida dá tantas e tantas voltas que aquilo que tinha importância de repente não tem mais. E, ao contrário do que se diz por aí, as pessoas mudam, sim — ainda bem. Isso não quer dizer que você vai cair na roubada novamente. Quem aprendeu com as más experiências geralmente procura se policiar para fugir dos mesmos padrões. É uma questão de inteligência, de sobrevivência, que não implica em perseguir aqueles que por ventura o tenham decepcionado. 

Por mais certos que se sintam, acredite: paira sempre aquela tristezinha no fundo da alma em nome dos bons momentos que se viveram juntos. Na hora da raiva, eles parecem não ter existido, mas existiram, sim. E é por causa — e saudades — deles que certas pessoas não perdoam, não esquecem e não relevam, abrindo mão do grande barato da vida, que é mudar para saber receber outros grandes bons momentos. 

- BRUNO ASTUTO 
http://colunas.revistaepoca.globo.com/brunoastuto/2012/07/01/a-etiqueta-da-separacao/


Reflexão

"Para se relacionar plenamente com o outro, você precisa primeiro relacionar-se consigo mesmo. Se não conseguimos abraçar nossa própria solidão, simplesmente usaremos o outro como um escudo contra o isolamento. Somente quando consegue viver como a águia, sem absolutamente qualquer público, você consegue se voltar para outra pessoa com amor; somente então é capaz de se preocupar com o engrandecimento do outro ser humano." 

- Irvin D. Yalom (Quando Nietzsche Chorou)

segunda-feira, 16 de julho de 2012

E aí?

"Na vida, ou aceitamos as situações como elas se apresentam, 
ou aceitamos a responsabilidade de mudá-las." 

 Denis Waitley

domingo, 15 de julho de 2012

"Que a importância de uma coisa não se mede com fita métrica nem com balanças nem barômetros. Que a importância de uma coisa há que ser medida pelo encantamento que a coisa produza em nós." 

 Manoel de Barros

sábado, 14 de julho de 2012

Eu só sei

"Eu só sei que amo verdadeiramente depois de ter esbarrado nas imperfeições do outro, depois de ter conhecido sua pior faceta e mesmo assim continuar reconhecendo-o como parte a que não posso renunciar." 

-  Pe. Fábio de Melo

sexta-feira, 13 de julho de 2012

Persistindo

‎"O que revela a nossa força não é sermos imbatíveis, incansáveis, invulneráveis. É a coragem de avançar, ainda que com medo. É a vontade de viver, mesmo que já tenhamos morrido um pouco ou muito, aqui e ali, pelo caminho. É a intenção de não desistirmos de nós mesmos, por maior que às vezes seja a tentação." 

- Ana Jácomo

quinta-feira, 12 de julho de 2012

Riscos

"Não importa quantos passos você deu para trás, o importante é quantos passos agora você vai dar pra frente. 
Lembre-se que grandes realizações e grandes amores envolvem grandes riscos." 

 Provérbio Chinês

quarta-feira, 11 de julho de 2012

Máscaras

"Cada vez me convenço, talvez você também, de que são poucas as pessoas que na vida são capazes de nos deixar a vontade pra a gente ser o que a gente é. São poucas as pessoas que diminuem e que cessam a nossa solidão, porque a solidão só vai embora quando o coração consegue ser o que ele é, sem precisar mentir, sem precisar inventar, sem precisar usar máscaras."

- Pe. Fábio de Melo

terça-feira, 10 de julho de 2012

Emmanuel

"A existência na Terra é comparável a uma viagem de aperfeiçoamento, na qual necessitas seguir adiante, ao lado de nossos companheiros da jornada evolutiva. Muitos te desconhecem, no entanto, Deus sabe quem és. Muitos te menosprezam, contudo, Deus não te abandona. Muitos te hostilizam, mas Deus te apóia. Muitos te reprovam, em circunstâncias difíceis, no entanto, Deus te abençoa. Muitos se te afastam da presença, todavia, Deus permanece contigo. À vista de semelhante realidade, sempre que tropeços e provações te apareçam, não te acomodes, à beira da estrada, em algum recanto da inércia. Confia em Deus e caminha." 

- Emmanuel

segunda-feira, 9 de julho de 2012

Benjamin Button

"(...)Algumas pessoas nasceram para ficar sentadas junto a um rio, algumas são atingidas por raios. Algumas tem ouvidos para música, algumas são artistas. Algumas nadam. Algumas conhecem botões. Outras conhecem Shakespeare. Algumas são mães. E algumas pessoas dançam! Se quer saber, nunca é tarde demais ou cedo demais para ser quem você quer ser. Não há limite de tempo. Comece quando quiser. Você pode mudar ou ficar como está, não existem regras para isso. Pode tirar o máximo de proveito, ou o mínimo. Espero que tire o máximo! Espero que veja coisas surpreendentes. Espero que sinta coisas que jamais sentiu. Espero que conheça pessoas com pontos de vista diferentes dos seus e espero que tenha uma vida pela qual se orgulhe! E se descobrir que não tem, espero que tenha forças para começar tudo de novo." 

-  Citação do filme 'Curioso Caso de Benjamin Button'

domingo, 8 de julho de 2012

Madre Teresa de Calcutá

"Todas as nossas palavras serão inúteis se não brotarem do fundo do coração. As palavras que não dão luz aumentam a escuridão. A falta de amor é a maior de todas as pobrezas." 

- Madre Tereza de Calcutá

sábado, 7 de julho de 2012

EscreVivendo

"...tem dia que põe virgula, tem dia que põe reticências, tem dia que põe ponto final e tem dia que tem a necessidade de virar a página. O tempo todo nós fazemos a experiência de escrever a vida que somos nós, e o mais bonito: nós temos o direito de escolher como vamos pontuar esse texto, porque Deus trabalha o tempo todo no nosso coração assim, para que a gente aprenda a escrever, para que não venha ninguém escrever por nós e mesmo que alguém passe pela nossa vida, que apenas deixe detalhes no seu texto porque o autor é você, e o mais bonito é que tudo está sendo inspirado por Ele." 

- Pe. Fábio de Melo

sexta-feira, 6 de julho de 2012

Verdade

"Comumente, tudo o que sabemos sobre nós mesmos é a opinião dos outros. Eles dizem “você é bom”, e achamos que somos bons. Eles dizem “você é bonito” e nós achamos que somos bonitos. Eles dizem “você é mau” ou feio….tudo o que as pessoas dizem a nosso respeito nós continuamos colecionando. Isso se torna a nossa própria identidade, mas é completamente falso, porque ninguém pode conhecer você – ninguém pode saber quem você é a não ser você mesmo. Tudo o que as pessoas conhecem são aspectos e esses aspectos são muito superficiais. Tudo o que elas conhecem são humores momentâneos; as pessoas não podem entrar no seu âmago. Nem mesmo a pessoa amada pode penetrar no verdadeiro âmago do seu ser. Ali você é completamente só…e somente ali será possível saber quem você é."

- Osho

quinta-feira, 5 de julho de 2012

Aprendendo

"Precisamos ser pacientes, mas não ao ponto de perder o desejo; 
Devemos ser ansiosos, mas não ao ponto de não sabermos esperar."

- Max Lucado

quarta-feira, 4 de julho de 2012

Preste atenção

"Palavra errada, na hora errada, pode se transformar em ferida naquele que disse, e também naquele que ouviu. Em muitos momentos da vida o silêncio é a resposta mais sábia que podemos dar a alguém." 

- Padre Fábio de Melo

terça-feira, 3 de julho de 2012

Se ...

"Se você que ser feliz, mande embora seu "severo juiz", ouça seu coração. Valorize o que sente e seja uma pessoa verdadeira. Assuma seus sentimentos. Só diga sim depois de sentir o que realmente quer. Não tenha receio de dizer não. Deixe de contar seus problemas aos outros e perguntar o que deve fazer. Confie em seus critérios. Você pode! Experimente." 

- Zíbia Gasparetto

segunda-feira, 2 de julho de 2012

Sinto muito

Quem nunca quis dizer isso?

 “Na vida não existem verdades absolutas… percepção é de cada um, então lá vai: sinto muito, se eu não sou exatamente o que espera de mim; sinto muito, se eu não atendo todas as expectativas; sinto muito, se eu não sou capaz de ler pensamentos e realiza-los imediatamente. Sabe por que sinto muito… muitíssimo? Porque essa frustração será sua e não minha. Afinal, a minha percepção me diz que sou exatamente o que queria ser; sendo assim, não posso sofrer por você!” 

-  Martha Medeiros

domingo, 1 de julho de 2012

VIDA A DOIS

"A convivência entre duas pessoas com certeza é bastante complicada, uma vez que somos todos diferentes por natureza íntima. Essa diferença é um dos motivos que nos atraem para a outra pessoa, pois temos a necessidade de complitude. 

Nascemos com certeza necessitados de um complemento divino, alguém que possa dar a nós aquilo que achamos que nos falta. As qualidades que um tem falta ao outro ou ficou camuflada interiormente, sem ser exteriorizada e trabalhada. As pessoas às vezes confundem complemento divino com alma gêmea, e são duas coisas distintas uma da outra, pois no caso da alma gêmea são pessoas que tem os mesmos gostos, pensam da mesma forma e é igual a você, por isso o termo alma gêmea. Exatamente por achar que são tão parecidos que se atraem e vão viver eternamente sem problemas. Gostam das mesmas coisas e acreditam que por isso vão estar sempre bem, nunca vão brigar, divergir em opiniões e pensando assim a vida seria um mar de rosas e serão felizes para sempre. Mas não é assim que acontece, pois se são tão parecidos assim nas qualidades, podem ser também em relação aos defeitos.

Normalmente não gostamos de alguns defeitos nos outros e com certeza são os que temos e não queremos ver. O não querer ver está relacionado ao fato de que normalmente, foi motivo de crítica e cobranças pelas pessoas de nosso convívio. Ninguém gosta de ser cobrado e criticado, então criamos resistência em entrar em contato com aquilo. É natural que isso aconteça, pois ao sermos cobrados e criticados pelos outros sempre nos defendemos, para fugir das punições que poderiam acontecer. 

Os problemas das relações a dois são resultantes dos nossos medos e atitudes direcionadas pelo passado, pela magoa e por tudo que nos marcou. Essas marcas tornam as coisas muito assustadoras para nós. A vida não pode nos dar a decisão de ficar adultos. Só acontece com uma decisão que vem de dentro e temos que aprender a definir o que é ser adulto. Isso não pode partir de qualquer outra pessoa, pois tudo o que é imposto é rejeitado. Às vezes a pessoa até já ajudou os outros a encontrar o adulto dentro dele, mas não usou isso para si mesmo, porque não tomou a decisão de amadurecer. Isso vem do fato de não ter digerido algumas coisas ainda. Vamos conseguir ao decidir não mais ser criança, fingir e disfarçar. É preciso jogar limpo e serio, pois as consequências só nós vamos sentir. Só quando começa a doer fazendo mau, resolvemos tomar uma atitude. Então o sofrimento e o ódio podem acordar a pessoa pra fazer por si mesmo. 

A criança não quer fazer porque espera de Deus, do amigo, dos pais ou do governo (é a coisa infantil dentro de nós). É alguém que se sente menos porque não consegue fazer por si. A pessoa só se resolve quando as coisas mais difíceis vêm à tona, a mente toma conhecimento, entra em contato e quer perceber e resolver. A vida nos mostra, mas quando não queremos ver não adianta. Até então começamos a atrair muitos desencontros, desacertos, medo, inseguranças, entraves e bloqueios, que atrapalham a pessoa. Então ela não flui bem em sua vida. Quando a pessoa quer se resolver ela reconhece e resolve se olhar. Estabelece uma auto-análise pra discernir, onde está errado e tem a coragem de assumir para os outros e pra si mesmo. O que importa é o meu compromisso diante de mim, não é nem dos outros nem de Deus. Não é Ele que cobra, mas é a necessidade minha de que as coisas se resolvam pra que os problemas não aconteçam mais, com tanta freqüência como antes. É preciso resolver pra vida poder fluir. Se eu faço curso e procuro a melhora, assumi um compromisso comigo, por ter ido buscar algo melhor para mim. Quando apenas me cobro e não tomo atitude, eu me decepciono comigo e me sinto muito infantil. Então começo a me punir por não ter feito. Às vezes uso desculpas pra não assumir... Minto pra mim mesma e faço tipo para os outros. Então a vida pega minha mentira e joga contra mim mesma, só pra ver se eu acordo. Quando eu me assumo e fico do meu lado a vida me apoia e fica tudo mágico. 

Em primeiro lugar temos que ter um firme propósito ao entrar num curso para fazer nossa melhora. Se eu assumir vou entender, assimilar e usar. Mudanças incríveis vão acontecer em minha vida e muito rápido. A prosperidade exige que eu me estabeleça metas altas, mas possíveis de serem atingidas pra que eu possa fazer tudo pra conquistá-las. Estabelecer algo alto demais, vai fazer com que eu arrume desculpas para justificar o fracasso. Eu me torno criança e imaturo, quando sei que algo é bom e não uso. Deus sabe que eu sei, então não vai ajudar em nada porque eu mesmo posso fazê-lo. Ele só ajuda quando não posso fazer por mim, então ele me auxilia dando intuição para eu agir correto. Às vezes começo a agir pelos vícios que adquiri ao longo da vida e não mudo, nem admito que não é mais o meu melhor. Chega de ter medo, insegurança, de não querer assumir-se por medo de errar, deixando que a vaidade fale mais alto. Como é que os outros vão me encarar se eu errar?... Como eles vão me cobrar e me criticar? Eu não vou agüentar a auto-crítica. Vou me estrangular por dentro... Uma coisa importante é ver as verdades que existem dentro de nós, encara-las e assumi-las. A primeira coisa que devo querer ver é a mentira de que eu amo a vida, quando na verdade tenho ódio dela e dos outros. 

A maioria das pessoas acha que a vida é difícil que é um enigma, desampara as pessoas e que há injustiça em tudo. Por isso temos medo do amanhã. Isso por que nos sentimos incapazes de controlar tudo. Esta incapacidade de controlar as coisas nos torna inseguros... Isso faz sentido, pois só me sinto seguro naquilo que posso segurar e controlar. Por isso temos necessidade de estar no controle de um relacionamento a dois, por medo de que se eu não puder segura-lo ele vai escapar, vai embora. Essa sensação de insegurança faz com que passemos a querer dominar a outra pessoa pra que ela ceda à nossos desejos, fazendo nossas vontades. Queremos na verdade que ela sinta que somos muito necessários em sua vida, a ponto de não poder viver sem a nossa companhia. Ao mesmo tempo criamos um envolvimento com a pessoa, mas também a estamos sufocando com nosso amor e nossa necessidade de comandá-la. Isso faz com que ela sinta uma dualidade de emoções em nossa companhia... Ao mesmo tempo, que ela fica envolvida pelo nosso carinho e atenção, sente-se sufocada pelo exagero de nossas atitudes em relação a ela. Às vezes esse sentimento toma conta de nosso ser, a ponto de estarmos nos anulando por causa do outro e nossa vida perdeu completamente o sentido porque vivemos em função do outro. Se perdermos essa pessoa, temos vontade até de morrer e só não fazemos uma besteira, pois sabemos que não é correto e teremos mais problemas ainda. Se soubéssemos como esse ódio da vida influi no relacionamento com as pessoas. À medida que não me vejo e não encontro a verdade em mim, também não conseguirei ver a verdade do outro, pois não terei olhos pra ver a verdade em nenhum lugar. Não combina com os meus padrões enxergar o melhor dos outros, pois não aprendi ver o melhor da vida. Acho que a vida é um perigo, então passo a achar que as pessoas não são boas ou confiáveis. Minha vida se torna pobre afetivamente, profissionalmente e emocionalmente. Quando não me dou uma chance para acreditar que a vida é boa, como vou acreditar que a minha vida ao lado do outro também pode dar certo. Deixo então o ódio da vida e me abro para ver o melhor de tudo e de todos. Quando procuro o melhor no outro, vou me sintonizar com esse melhor que existe por si só no mundo. Mesmo que essa pessoa seja ruim com todos, para mim ela vai demonstrar sua bondade, pois através da confiança que depositei nela, consegui me sintonizar com o melhor dela. Isso acontece porque estou no meu melhor e quando assim é, vou me sintonizar com o melhor de todo o mundo. 

A relação entre pessoas na verdade é uma troca, então quando consigo me doar sem limites e sem esperar retorno, ele acontece espontaneamente. Quando supero o medo de me doar e falar dos meus sentimentos, sinto-me de bem com a vida e me abro com confiança para um novo amor, sem medo não dar certo, pois me ocupo com o momento sem apego ao resultado. Quando não crio expectativas e não alimento ilusões, não vou atrair desilusões que vão tirar o meu animo e alegria de viver. Quando me desiludo acabo por afastar o entusiasmo pela vida. É como se eu tivesse cortando o fio que me prende vivo aqui na Terra e já começasse a morrer internamente. Então começo a atrair doenças de toda a sorte. Desencadeio a mágoa que atrai problemas de estômago, por não digerir os acontecimentos, ou outro tipo de doença, pela degeneração interna que atraí por conta de ter acalentado sentimentos ruins que nos destroem por dentro. 

 Quando a pessoa resolve acabar com o ódio dentro de si, ela pode começar a fazer uma renovação interior muito grande e começa uma fase de renascimento interior. Então desencadeia um processo de cura, pois quando substituo o ódio por amor, posso me curar. A auto-cura está ligada ao fato de começar a me aceitar como sou e respeitar-me do jeito que estou no momento. Quando me respeito, estou respeitando a individualidade que existe em mim, sabendo que ninguém é igual a ninguém. Só tomo consciência disso no convívio com as outras pessoas. Se eu me sentir agradecido ao outro por ter permitido esse confronto, vou saber que eu sou diferente, então vou passar a me aceitar e a aceitar o outro. Então tudo começa a se encaixar, pois comecei a aceitar a vida e me aceitar... A partir de então me torno pronto pra viver um novo amor... "

- Jandira Moraes

Perfeição

"A vida nem sempre segue a nossa vontade, mas ela é perfeita 
naquilo que tem que ser."

- Chico Xavier