Total de visualizações de página

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

“Não faças de ti um sonho a realizar. Vai. Sem caminho marcado. 
Tu és o de todos os caminhos.” 

- Cecília Meireles


domingo, 21 de dezembro de 2014


"Em última instância, tenho um senso de navegador para me localizar e força para tornar a içar as velas, vontade para tornar a pegar o vento; e mesmo quando perco a terra e tudo o que amei, e as estrelas estão encobertas e estou sofrendo a dor das perdas, e com medo - mesmo então, os milagres surgirão em volta para ser celebrados, e eu também hei de celebrá-los. E mesmo então, confiarei que uma nova costa há de se erguer para vir ao meu encontro, e lá, naquele lugar, hei de encontrar coisas novas para amar".

- Mia Farrow em "O que fica pelo caminho é para sempre" (p. 109)   

  

sábado, 20 de dezembro de 2014

"Os seres humanos não nascem
para sempre no dia em que as mães os dão à luz, 
e sim que a vida os obriga outra vez
e muitas vezes a se parirem a si mesmos."

- Gabriel García Márquez - "O Amor nos Tempos do Cólera"




sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

O amor não é a semente, 
o amor é o semear.

- Mia Couto 


quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

"O amor talvez seja isso. Encontro de partes que se complementam, porque se respeitam. E, no ato de se respeitarem, ampliam o mundo um do outro. 
As caricaturas do amor são prejudiciais porque fazem o contrário. Diminuem o horizonte, restringem, aprisionam, sequestram. Amar não é fazer do outro nossa propriedade."

- Pe. Fabio de Mello



quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

"Nós lemos emoções nos rostos, lemos os sinais climáticos nas nuvens, 
lemos o chão, lemos o Mundo, lemos a Vida. 
Tudo pode ser página. 
Depende apenas da intenção de descoberta do nosso olhar."

- Mia Couto




terça-feira, 16 de dezembro de 2014


"Tudo, aliás, é a ponta de um mistério. Inclusive, os fatos. 
Ou a ausência deles. Duvida? 
Quando nada acontece, há um milagre que não estamos vendo."

- Guimarães Rosa 


segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

"Ensinarás a voar... Mas não voarão o teu vôo. 
Ensinarás a sonhar... Mas não sonharão o teu sonho. 
Ensinarás a viver... Mas não viverão a tua vida. 
Ensinarás a cantar... Mas não cantarão a tua canção. 
Ensinarás a pensar... Mas não pensarão como tu. 
Porém, saberás que cada vez que voem, sonhem, vivam, cantem e pensem... 
Estará a semente do caminho ensinado e aprendido."

- Madre Teresa de Calcutá


domingo, 14 de dezembro de 2014

“Todas as vezes que você perdoa, o universo muda. 
Cada vez que você estende a mão e toca um coração, o mundo se transforma.”

- A Cabana


sábado, 13 de dezembro de 2014

“E assim, aos poucos, ela se esquece dos socos, pontapés, golpes baixos que a vida lhe deu, lhe dará. A moça — levanta e segue em frente. Não por ser forte, e sim pelo contrário: por saber que é fraca o bastante para não conseguir ter ódio no seu coração, na sua alma, na sua essência. E ama, sabendo que vai chorar muitas vezes ainda. Afinal, foi chorando que ela, você e todos os outros, vieram ao mundo.”

- Dom Casmurro


sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

"O coração da gente gosta de atenção.
De cuidados cotidianos. 
De mimos repentinos. 
De ser alimentado com iguarias finas,
como a beleza, o riso, o afeto. 
E há momentos em que tudo o que ele precisa 
é que preparemos banhos de imersão 
na quietude para lavarmos, uma a uma, 
as partes que lhe doem. 
Há momentos em que tudo o que precisa
é que reservemos algum tempo a sós com ele
para desapertá-lo com toda delicadeza possível. 
Coração precisa de espaço."

- Ana Jácomo


quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

"O que prevalece agora é essa maneira nova de sentir a vida.
Essa perspectiva que me faz admirar,  incansáveis vezes, antigas preciosidades.
Essa vontade de bendizer tantas maravilhas.
Esse sentimento de gratidão pelas coisas mais simples que existem.
Esse jeito mais amigo de ouvir meu coração.
O que prevalece agora é essa apreciação mais desperta,
que me permite reinaugurar flores e céus e pessoas no meu olhar.
Essa graça que encontro, de graça, nos detalhes mais singelos.
O que prevalece agora é a confortável suposição de que, por trás de tantas e habituais nuvens, 
esse contentamento faz parte da nossa natureza.
Os problemas, os desafios, as limitações, não deixaram de existir.
Deixaram apenas de ocupar o espaço todo."

- Ana Jácomo


quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

"Tenho a sorte de ter amigos que me ensinam todos os dias. Eu poderia citar um por um e dizer o quanto me fizeram e fazem crescer mesmo sem perceber. 
Acredito na força do encontro. Sinto que as pessoas nunca vêm em vão. 
O que me falta, o outro completa, e dou tudo de mim sempre que precisar. 
Existe tanto dos meus amigos no meu jeito e vejo tanto de mim neles, que poderia dizer que formamos uma terceira pessoa quando estamos juntos. 
A verdade é que ninguém nasce completo. Somos uma somatória de pedaços que se encaixam graças à afinidade. 
A vida é troca. E isso, eu não troco por nada!"

- Fernanda Gaona





terça-feira, 9 de dezembro de 2014

"Quando aprendi a lidar com as minhas imperfeições, quando inventei formas de conviver com as minhas crises, quando passei a me aceitar com todos os meus medos, a vida tomou um impulso. Eu não era mais a mesma de um tempo atrás. Eu estava permitindo que o Tempo me ensinasse o quanto podemos ser vastos mesmo com algumas limitações que a vida nos empurra goela abaixo."

- Bibiana Benites


segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

"A tua sorte é que o sol vai nascer todos os dias 
e você não vai conseguir fugir desse brilho. 
E as tuas manhãs não vão parar para ouvir suas recusas,
 você vai ter que levantar e seguir o teu ritmo.
A tua sorte é que o amor e a alegria são sentimentos involuntários, 
e eles vão surgir ainda que você não queira, 
não há como escapar do que preenche o teu sorriso.
A tua sorte é que a alma se fortalece mesmo quando você 
está mais sensível, e que ela te exige. 
As vezes é quando se está no chão que você aprende a crescer.
A tua sorte é que o mundo tem esquinas. 
Que a vida é mais do que os teus olhos já viram. 
E que o que há de vir tem uma força muito maior 
do que o que já foi embora e o que deixou de acontecer.
A tua sorte é que teu coração sangra, 
e de tanto apanhar ele aprende a matar
 tudo que não deve permanecer dentro de ti." 

- P. Almeida




domingo, 7 de dezembro de 2014

"Só amei o que tinha fim
e tudo que amei se eternizou".

- Mia Couto


sábado, 6 de dezembro de 2014

"Amor:
quando alguém te convida para ficar
até o futuro".

- Louise Madeira


sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

"Terapia é a atividade religiosa, no sentido de re-ligação, está a serviço de religar sentidos entre o que se sente e o que se expressa, entre o que se percebe e como se age (...). Terapeuta não é aquele que tem o poder sobre o outro, e sim aquele que motiva e inspira para que o outro articule suas diversas partes e se organize em relação a si próprio e às suas relações (...) Cabe lembrar que a eficácia e a eficiência do processo terapêutico dependem de ser o terapeuta humilde o suficiente para acompanhar e inspirar o cliente a manifestar a sua própria capacidade de se cuidar".

(Tavares in do Luto à Luta)   

   

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

"Certa vez, uma senhora contou que, quando era jovem, não acreditava no castigo físico como uma forma adequada de educar uma criança, apesar do pensamento comum da época de incentivar o uso de um fino galho de árvore para corrigir a criança. Um dia, o seu filho de cinco anos fez alguma coisa que ela considerou muito errada e, pela primeira vez, ela sentiu que deveria dar-lhe um castigo físico. Ela disse a ele que fosse até o quintal de sua casa e encontrasse uma varinha de árvore e trouxesse para que ela pudesse aplicar-lhe a punição. O menino ficou um longo tempo fora de casa e quando voltou estava chorando e disse para a mãe:
 - Mãezinha, eu não consegui achar uma varinha, mas achei uma pedra que você pode jogar em mim. 
Imediatamente, a mãe entendeu como a situação é sentida do ponto de vista de uma criança: se minha mãe quer bater em mim, não faz diferença como e com o quê; ela pode até fazê-lo com uma pedra. A mãe pegou seu filho no colo e ambos choraram abraçados. Ela colocou aquela pedra em sua cozinha para lembrar sempre: nunca use violência".

- Mourão e outros em Resgatar a Autoridade Parental: Educar Pais e Filhos   


quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

"Como posso aceitar-me e respeitar-me se não aprendi a respeitar meus erros
e tratá-los com oportunidades legítimas de mudança, 
porque fui castigado por equivocar-me?"

- Maturana 


terça-feira, 2 de dezembro de 2014

"Como terapeutas pós-modernos, estamos sempre desafiados a construir nossos caminhos por territórios desconhecidos e sem mapas, tendo como guias justamente as pessoas que nos procuram e esperam pela nossa ajuda (Grandesso, 2000). Isso implica uma posição de humildade de modo a construir um contexto de proximidade, escuta aberta e aceitação das diferenças para que cada membro da família possa sentir-se respeitado e compreendido. Maturana (1998) afirma que, se no decorrer desse processo a paixão por viver juntos surgir, teremos então uma outra família, cuja característica constitutiva não mais será o sofrimento de seus membros. Uma terapia a serviço da responsabilidade individual, mas também da relacional, promove o cuidado consigo mesmo e com o outro, favorece o respeito e legitimação da alteridade, abrindo espaço para a coexistência. Nesse sentido, tal prática pode ser compreendida como uma terapia para o amor e, portanto, para a paz. Para a pessoa do terapeuta, agir coerentemente com esses princípios implica que se pergunte: quem sou eu, terapeuta; de que lugar estou falando; que vozes falam através de minha linguagem e ação; quais os valores envolvidos nos significados que estou construindo? Questões como essas implicam a necessidade de examinar os efeitos de nossas práticas, no sentido de caminhar na direção preferida de desenvolver tanto contextos de autonomia, como de comprometimento com o outro e o entorno. Este é o caminho possível de favorecer tanto a responsabilidade individual como a relacional, promovendo a liberdade de fazer escolhas orientadas pela responsabilidade e ética das relações (Morin, 2005).

In: Marilene Grandesso - Viver em Família: que tipo de futuro nós terapeutas familiares podemos ajudar a construir?      


segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

"Lição dura de aprender e aceitar, mas a vida vai convencer a você que, mais dia ou menos dia, que a única pessoa para a qual você conseguirá, seguramente, realizar algo transformador é para você mesmo. Você só pode mudar a você.
Quanto aos outros, você pode apoiar, colaborar, orientar, chamar a atenção, dar a mão e incentivar, jamais mudar. A mudança do outro, por mais que você o ame, é com ele. Mesmo o amor, esse sentimento tão nobre, só colabora com a transformação alheia se o outro decidir que quer mudar.
Quando você ama alguém e esse pessoa não muda, fique claro a você que isso não tem uma relação com seu sentimento ser fraco ou insuficiente, e sim com a postura do outro.
Desiluda-se. Amor só influência positivamente quando há abertura para recebê-lo. Ninguém ultrapassa essa lei: até para ser feliz é preciso escolha e força de vontade."

- Wanderley Oliveira


domingo, 30 de novembro de 2014


“A esperança tem asas. Faz a alma voar. 
Canta a melodia mesmo sem saber a letra. 
E nunca desiste. Nunca.” 

―Emily Dickinson



sábado, 29 de novembro de 2014

A vida pode ser decodificada de uma forma mais generosa se nos reconhecermos em olhos dispostos a enxergar além dos estereótipos.

O perigo da história única, mais fácil de analisar na geopolítica do mundo, começa dentro de casa, na família. Como no caso de Preciosa. Quando nascemos, é o olhar da mãe o primeiro a nos constituir. Só nos reconhecemos como um ser para além da mãe a partir deste primeiro olhar fundador. Na infância, é no primeiro mundo privado que habitamos, o de dentro de casa, que iniciamos nosso embate com as histórias únicas. Quando os pais determinam que este filho é inteligente, aquele é preguiçoso e um terceiro é malvado, o mais provável é que aqueles filhos assim rotulados cumpram a profecia dos pais. Por isso, é comum ouvirmos: “fulano desde pequeno já era assim...”. Claro, como poderia ser diferente?

A versão dos pais sobre nós é a primeira versão narrativa da vida de cada um. E ela nos marca para sempre. Para o bem – e para o mal. Seja pela displicência, seja pela opressão. Quando é para o mal, se torna uma prisão. Não somos o que podemos vir a ser, mas um estereótipo fechado, vendido como a única verdade sobre nós mesmos. Este é o olhar que nos transforma em pedra. Afinal, as ovelhas negras de cada família são ou tornaram-se?

Se não encontramos alguém que rompa as grades deste olhar na escola, nosso primeiro mundo público, temos poucas chances na vida. Se, ao contrário de ampliar as versões narrativas, o professor cimentar ainda mais os rótulos familiares ou criar outros tão perniciosos quanto – com sentenças como “este é inteligente”, “aquele é burro”, “o outro violento”, “aquele não tem jeito”, “este é um caso perdido” – as chances minguam.

De certo modo, crescer é tornar-se capaz de quebrar a sucessão de histórias únicas sobre a nossa existência. 
Se você estiver atolado na vida porque lhe fizeram acreditar em uma única versão, reaja. Não acredite. Exercite a dúvida sobre si mesmo – e sobre o outro. Será que é assim mesmo? Será que isso é tudo o que sou? Será que é só isso que posso ser? Tornar-se adulto é ter a coragem de se contar como alguém múltiplo e contraditório, um habitante do território das possibilidades.
No filme, Preciosa diz uma frase maravilhosa, num dia especialmente tenebroso. Algo assim: “Que bom que Deus ou não sei quem inventou os novos dias”. É isso. Há sempre um novo dia para todos nós. Um em que podemos nos reinventar.

Trechos de "O perigo da história única", de Eliane Brum.


sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Você não tem medo do escuro, você tem medo do que esta nele.
Você não tem medo de alturas, você tem medo de cair.  
Você não tem medo das pessoas ao seu redor, você só tem medo de rejeição. 
Você não tem medo de amar, você só tem medo de não ser correspondido.  
Você não tem medo de deixa-lo ir, você só tem medo de aceitar a realidade 
de que ele se foi.
Você não tem medo de tentar novamente você só tem medo de se machucar 
pela mesma razão.


"Torne-se um amante - não de uma pessoa em particular, mas um amante em geral. Deixe o amor se tornar sua qualidade, não apenas um relacionamento com uma pessoa, pois sempre que o amor se torna um relacionamento ele inclui um ser e exclui todo o universo.

Essa troca - incluir alguém e excluir o universo - é bastante perigosa, visto que todo o universo pertence a você e você pertence a ele. O universo inteiro jorra amor em você, e não responder a isso é um gesto de ingratidão.

Portanto, ame o sol, a lua, as estrelas, as árvores, os rios, as montanhas, as pessoas, os animais - simplesmente seja um amante e deixe que o todo seja seu amado. É exatamente isso que faz uma pessoa ser religiosa.

Quando seu amor se espalha por todo o espaço, quando não conhece fronteiras, quando nada o confina, quando ele é ilimitado, quando não se concentra em nenhum objeto, mas é apenas um estado de ser, aí o amor é uma oração, aí o amor é meditação, aí o amor é libertação."

- Osho


quinta-feira, 27 de novembro de 2014


"Deus é alegria. Uma criança é alegria. Deus e uma criança têm isso em comum: ambos sabem que o universo é uma caixa de brinquedos. Deus vê o mundo com os olhos de uma criança.Está sempre à procura de companheiros para brincar."


- Rubem Alves




quarta-feira, 26 de novembro de 2014

"Aja como se o que você faz fizesse diferença.
Pois faz!"

- William James