Total de visualizações de página

sexta-feira, 29 de julho de 2016

"Mil velas podem ser acesas com uma única vela,
E a vida da vela não será por isso mais curta.
A felicidade nunca míngua por ser compartilhada."

- Sidarta Gautama, o Buda


quinta-feira, 28 de julho de 2016

"As máscaras de carnaval podem ser colocadas e tiradas pela própria pessoa. Mas a máscara colada no nosso rosto só pode ser retirada por uma outra pessoa. Ela só se desprega da nossa pele quando tocada pelo toque do amor. E assim sabemos que estamos amando: quando, diante daquela pessoa, a máscara cai e voltamos a ser crianças…"

- Rubem Alves


quarta-feira, 27 de julho de 2016

"Eu sou o que posso, na medida em que me permitem.
Quando posso eu ultrapasso as fronteiras...
Quando não posso do meu limite faço arte.
Sou semelhante ao rio.
Se me barram, eu aprofundo"

- Pe.Fábio de Mello


terça-feira, 26 de julho de 2016

segunda-feira, 25 de julho de 2016

"Foi só quando trouxemos Will de volta para casa [...] que encontrei algum sentido em tornar o jardim bonito outra vez. Precisava dar ao meu filho um lugar para onde olhar. Precisava dizer a ele, silenciosamente, que as coisas poderiam mudar, crescer ou fenecer, mas que a vida continuaria. Que todos nós éramos parte de um grande ciclo, algum tipo de arranjo cuja finalidade só Deus poderia entender. Eu não podia dizer isso a ele, é claro – Will e eu nunca fomos muito bons em conversar -, mas eu queria mostrar. Uma promessa tácita, se preferir, de que existe algo maior, um futuro melhor” 

- Jojo Moyers em "Como eu era antes de você"  [p. 98].


domingo, 24 de julho de 2016

sábado, 23 de julho de 2016

"Tal como a violeta é o amor:
Não  se rega as folhas, molha-se a raiz".

- Paulo de Araújo




sexta-feira, 22 de julho de 2016

"Será basicamente uma questão de autoimagem a ideia que criamos para nós mesmos o que é preciso realizar e vivenciar para que possamos aprovar a vida que vivemos? Se for o caso pode-se descrever o medo da morte como o medo de não ser capaz de ser quem planejamos ser."

Frase do filme "Trem noturno para Lisboa"



quinta-feira, 21 de julho de 2016

Traze-me - Cecília Meirelles


"Traze-me um pouco das sombras serenas
que as nuvens transportam por cima do dia!
Um pouco de sombra, apenas,
- vê que nem te peço alegria.


Traze-me um pouco da alvura dos luares
que a noite sustenta no teu coração!
A alvura, apenas, dos ares:
- vê que nem te peço ilusão.


Traze-me um pouco da tua lembrança,
aroma perdido, saudade da flor!
-Vê que nem te digo – esperança!
-Vê que nem sequer sonho – amor!"

Imagem de Catrin Welz-Stein



quarta-feira, 20 de julho de 2016

"Conta a lenda que uma jovem mariposa de corpo frágil e alma sensível voava ao sabor do vento certa tarde, quando viu uma estrela muito brilhante e se apaixonou.

Voltou imediatamente para casa, louca para contar à mãe que havia descoberto o que era o amor, mas a mãe lhe disse friamente: que bobagem! As estrelas não foram feitas para que as mariposas possam voar em torno delas. Procure um poste ou um abajur e se apaixone por algo assim; para isso nós fomos criadas.

Decepcionada, a mariposa resolveu simplesmente ignorar o comentário da mãe e permitiu-se ficar de novo alegre com a sua descoberta e pensava: que maravilha poder sonhar!

Na noite seguinte, a estrela continuava no mesmo lugar, e ela decidiu que iria subir até o céu, voar em torno daquela luz radiante e demonstrar seu amor. Foi muito difícil ir além da altura com a qual estava acostumada, mas conseguiu subir alguns metros acima do seu vôo normal. Entendeu que, se cada dia progredisse um pouquinho, iria terminar chegando à estrela, então armou-se de paciência e começou a tentar vencer a distância que a separava de seu amor.

Esperava com ansiedade que a noite descesse e, quando via os primeiros raios da estrela, batia ansiosamente suas asas em direção ao firmamento.

Sua mãe ficava cada vez mais furiosa e dizia: estou muito decepcionada com a minha filha. Todas as suas irmãs e primas já têm lindas queimaduras nas asas, provocadas por lâmpadas! Você devia deixar de lado esses sonhos inúteis e arranjar um amor que possa atingir.

A jovem mariposa, irritada porque ninguém respeitava o que sentia, resolveu sair de casa. Mas, no fundo, como, aliás, sempre acontece, ficou marcada pelas palavras da mãe e achou que ela tinha razão.

Por algum tempo, tentou esquecer a estrela, mas seu coração não conseguia esquecê-la e, depois de ver que a vida sem o seu verdadeiro amor não tinha sentido, resolveu retomar sua caminhada em direção ao céu.

Noite após noite, tentava voar o mais alto possível, mas, quando a manhã chegava, estava com o corpo gelado e a alma mergulhada na tristeza. Entretanto, à medida que ia ficando mais velha, passou a prestar atenção a tudo que via à sua volta.

Lá do alto podia enxergar as cidades cheias de luzes, onde provavelmente suas primas e irmãs já tinham encontrado um amor, mas, ao ver as montanhas, os oceanos e as nuvens que mudavam de forma a cada minuto, a mariposa começou a amar cada vez mais sua estrela, porque era ela quem a empurrava para ver um mundo tão rico e tão lindo.

Muito tempo depois resolveu voltar à sua casa e aí soube pelos vizinhos que sua mãe, suas irmãs e primas tinham morrido queimadas nas lâmpadas e nas chamas das velas, destruídas pelo amor que julgavam fácil.

A mariposa, embora jamais tenha conseguido chegar à sua estrela, viveu muitos anos ainda, descobrindo que, às vezes, os amores difíceis e impossíveis trazem muito mais alegrias e benefícios que aqueles amores fáceis e que estão ao alcance de nossas mãos."

- Autor desconhecido


terça-feira, 19 de julho de 2016

"A vida é uma oportunidade de amar, 
porém o amor é a única chance de viver".

- Eduardo de Lucca


segunda-feira, 18 de julho de 2016

domingo, 17 de julho de 2016

"Onde você não encontrar amor, 
coloque-o você mesmo,
e o encontrará."

- Juan de La Cruz


sábado, 16 de julho de 2016

"Todas as experiências da vida, tudo com o que entramos em contato na vida, é um cinzel que esculpe a estátua de nossa vida, que a modela, a modifica, a conforma. Somos parte de tudo o que encontramos".

- Orson Swett Marden


sexta-feira, 15 de julho de 2016

"A maioria dos nossos traumas vem através da perda, da morte, do divórcio, da saúde em declínio, das crises financeiras e das amizades rompidas. Não há vida que esteja livre dessas experiências emocionalmente dolorosas. Não há como evitá-las. Fazem parte da realidade da existência.
[...]
Leva tempo para aceitarmos a irreversibilidade de uma perda. O reajuste a uma vida que nunca mais será a mesma pode expor fraquezas interiores da pessoa - é preciso muita coragem com frequência para nos adaptarmos e prosseguirmos. Mas também pode relevar forças e recursos que não sabíamos que tínhamos.
[...]  
O tempo de sofrimento ou de perda da esperança pode ser o despertar que nos abre para nós mesmos, que nos dispersa a ignorância e que apaga falsas percepções.
O único trauma duradouro é o que sofremos sem uma mudança positiva". 

- Leo Buscaglia in "Nascido para amar" (p. 202)


quinta-feira, 14 de julho de 2016

"Costumamos esquecer que a felicidade não vem em decorrência 
de conseguirmos o que não temos, mas sim de reconhecermos 
e de apreciarmos o que temos."

- Frederick Koenig 




quarta-feira, 13 de julho de 2016

"Fascinação: o que faz a gente ouvir uma música de fundo
 mesmo no mais profundo silêncio".

- Pequeno dicionário de palavras ao vento (Adriana Falcão) 





"Exigir que alguém só exista para nós é uma ilusão egocêntrica que deveria ter ficado para trás durante a infância. É degradante ser considerado um objeto que pode ser possuído e controlado. Se estamos tão inseguros em nosso relacionamento a ponto de termos de protegê-lo e resguardá-lo constantemente, talvez conviesse chamar a criancinha que vive dentro de nós e ajudá-la a crescer. O controle absoluto sobre outra pessoa nem é possível, nem desejável, nem agradável. Pelo contrário, destrói justamente o que visa proteger."

- Leo Buscaglia in "Nascido para amar" (p. 169) 


terça-feira, 12 de julho de 2016

"Espere a dificuldade como uma parte inevitável da vida e quando vier, mantenha a cabeça erguida, olhe-a bem nos olhos e diga: 'Serei maior do que você. 
Você não vai conseguir me derrotar'. "

- Ann Landers citada por Leo Buscaglia em 'Nascido para amar' (p. 163)


segunda-feira, 11 de julho de 2016

Amar, modo de usar

"Ame quem te engrandece nas pequenas rotinas, quem junta seus pedaços num abraço após um dia feio, quem te acha linda em cacos, linda de qualquer jeito. Ame quem te protege sem dizer uma palavra, quem divide contigo os medos, mas também as conquistas. Ame quem te sonha por inteiro.

Ame quem te encanta nas tarefas mais involuntárias, nas piadas mais antigas, nas horas mais vagas, nos silêncios ocasionais em que verdadeiramente se escuta o outro sendo ele. Ame quem te ama em pensamento, quem diz seu nome sorrindo, quem guarda teu tempo, quem respeita teu ritmo, quem adora te ver dormir, mas nunca vai confessar.

Ame quem te abre o peito como duas asas, quem te liberta com um afago, quem te impulsiona, segurando firme as suas mãos. Ame quem te admira, mas ainda é franco diante de suas falhas, ame quem também é verdadeiro sobre seus próprios defeitos. Ame quem também adora aprender contigo, lendo tuas linhas como um sábio se debruça sobre um antigo livro raro.

Ame quem é cúmplice dos seus olhos, testemunha dos seus sonhos, quem precisa de bem pouco pra te encantar. Ame quem te espera em ansiedade, quem elogia seu cheiro mais do que sua aparência. Ame quem tem a ciência de fazer seus dentes rirem por motivo torpe, por motivo bobo, por motivo nenhum. Ame quem é cúmplice de sua preguiça, companheiro de suas andanças, quem prefere estar contigo.

Ama, ame sem medo que o amor é a luz que revela a coragem nos dias mais turvos, a candura nos caminhos mais áridos, a confiança que estava escondida, a verdade que permaneceu oculta, a alegria que parecia bem pouca e agora inunda.

Ama e ama sem medo nenhum. O amor encarrega-se do resto, busca o sentido, entrega os motivos, guarda o consolo, assopra as feridas. Ama, que nós só somos memória quando contados e repetidos pelos lábios tranquilos de alguém que também nos amou."


- Diego Engenho Novo


"Perdoa-se na medida em que se ama".

- La Rochefoucauld

"Perdoar é fácil quando nos identificamos com os outros e admitimos nossas próprias imperfeições e uma igual capacidade de errar".

- Leo Buscaglia in "Nascido para amar" (p. 156-157)




domingo, 10 de julho de 2016

"A diferença entre uma pessoa antes e depois de apaixonar-se é a mesma que há entre uma lâmpada apagada e uma acesa. A lâmpada estava lá e era uma boa lâmpada, só que agora irradia luz (sua verdadeira função)."

- Vincent Van Gogh, citado por Leo Buscaglia in "Nascido para amar" (p. 145)

  

sábado, 9 de julho de 2016

"À medida que protelamos nossa transformação, à medida que adiamos nossa mudança, adiamos também uma forma nova de sentir outras alegrias. E fechamos os olhos pra quem está ao lado, ou banalizamos um possível encontro que poderia desencadear uma história mais bonita. Ter a felicidade como um propósito, é a coisa mais difícil que conheço."

- Marla de Queiroz



sexta-feira, 8 de julho de 2016

quinta-feira, 7 de julho de 2016

Ops, derrubei a torta - Eugenio Mussak

"Takahiko, já cansado, abriu a porta da geladeira das sobremesas e, com alívio, viu as duas últimas fatias de torta, esperando para serem saboreadas. Ao retirar as tortas, entretanto, o inesperado se fez presente. Uma fatia foi cuidadosamente colocada sobre o prato de sobremesa, mas a segunda, misteriosamente, caiu das mãos habitualmente firmes do samurai [...]

 'Oops! Mi è caduta la crostata al limone' ('Ops! Derrubei a torta de limão.'). O que se seguiu foi um silêncio. Todos olharam para o japonês desastrado, e em seguida para Massimo, o chef italiano. [...] Todos esperavam uma bronca, impropérios contra a desatenção, o desleixo. Mas esse não é o estilo do chefe Massimo.  

[...] 'Pois vamos reconstruir a partir do que temos!', disse o chef italiano. [...] 
Para o encanto de todos que assistiram à cena, o chef Massimo rapidamente criou um novo prato, uma nova sobremesa a partir daqueles desastre. [...]

A sobremesa aparece hoje no cardápio da Osteria Francescana com o seu nome de batismo: 'Oops! I dropped the lemon tart". Para Takahiko, ficou o ensinamento de que devemos aprender com nossos erros, acreditar na reconstrução e usar a criatividade para produzir, a partir disso, algo ainda melhor.

Na cozinha, como na vida, valem a competência, a dedicação e o talento, mas também a resiliência, a criatividade e o empenho. Em qualquer situação, e em qualquer fase da vida, depois do 'Ops, deixei cair!', pode vir o 'Oba, olha o que eu acabei de criar!'. Só depende de você. "

- Eugenio Mussak - Revista Vida Simples (Julho/2016)      


quarta-feira, 6 de julho de 2016

"Uma jovem que tentou o suicídio após ter perdido o namorado deverá merecer tanto respeito da nossa parte quanto a pessoa idosa que perde o companheiro de muitos anos. Não é possível medir, com uma medida única, o sofrimento alheio; não se pode julgar, nem tirar conclusões.
Respeitar é não usar a minha medida para sentir o sofrimento do outro, 
mas usar a dele próprio. "

- Manual do Voluntário do CVV  

Imagem de Felipo Rolim


terça-feira, 5 de julho de 2016

"De maneira que nós inventamos nossas lembranças, o que é o mesmo que dizer que inventamos a nós mesmos, porque nossa identidade reside na memória, no relato da nossa biografia."

Rosa Montero em “A louca da casa” (via textosquetocam)

Imagem de Christian Schloe




segunda-feira, 4 de julho de 2016

"A vida é toda um processo de demolição. Existem golpes que vêm de dentro, que só se sentem quando é demasiado tarde para fazer seja o que for, e é quando nos apercebemos definitivamente de que em certa medida nunca mais seremos os mesmos."

- F. Scott Fitzgerald




domingo, 3 de julho de 2016

"Uma hora a gente tem que olhar nos olhos dos medos. E andar pra frente. Sem atalho, sem muleta, sem abrigo. Porque a vida é o que acontece no intervalo dos nossos medos. Eles nos petrificam, nos transformam em múmias. É só quando a gente acorda, anda, se mexe, manda eles embora que a vida de fato surge pelos buracos da fechadura."

- Clarissa Corrêa

Imagem de Christian Schloe