Total de visualizações de página

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

“Quando o amor é grande demais torna-se inútil: já não é mais aplicável, e nem a pessoa amada tem a capacidade de receber tanto. Fico perplexa como uma criança ao notar que mesmo no amor tem-se que ter bom-senso e medida."

- Clarice Lispector


quarta-feira, 28 de setembro de 2016

"No final do túnel existe uma janela. Talvez você precise antes passar por uma sequência interminável de portas fechadas e treinar seus ouvidos para som da batida de cada uma delas, mas não deixe de caminhar. Eu sei que não tem a menor graça andar no escuro, e por não saber nada sobre o caminho, algumas vezes você irá tropeçar. Mas lembre-se, que é justamente essa coragem de andar por um lugar desconhecido e adquirir habilidade para se curar de cada tombo, que fará você começar a enxergar aos poucos frestas de luz. E pode não parecer, mas o som de cada porta se fechando um dia irá soar como música aos seus ouvidos. A canção de quem aprendeu a ler as esperas. De quem aceitou a partitura da fé e aprendeu a tocar as notas no momento adequado, na afinação de Deus."

- Fernanda Gaona


terça-feira, 27 de setembro de 2016

"Ajude o barco de seu irmão a atravessar,
e você chegará à margem".

- Provérbio hindu
citado no livro "O último adeus", de Cynthia Hand


segunda-feira, 26 de setembro de 2016

   "[...] as avaliações pouco solidárias que fazemos de outras pessoas em geral são resultado de nada mais que o hábito sinistro de olhar para eles da maneira errada, através de lentes embaçadas pela distração, pela exaustão e pelo medo, o que nos cega para o fato de que são, na verdade e apesar de mil diferenças, apenas versões alteradas de nós mesmos: seres frágeis, inseguros e imperfeitos que também desejam amor e têm uma necessidade urgente de perdão".

- Alain de Botton in "Religião para ateus" (p. 191)

Imagem: Cena do filme "Crash - no limite"


domingo, 25 de setembro de 2016

"[Para Matthew Arnold], uma educação cultural adequada deveria inspirar em nós 'um amor pelo vizinho, um desejo de acabar com a confusão humana e diminuir sua miséria'. Em seu nível mais ambicioso, acrescentou ele, a educação deveria engendrar nada menos que a 'nobre inspiração de tornar o mundo melhor e mais feliz do que quando o encontramos".

- Alain de Botton in "Religião para ateus" (p. 86).


sábado, 24 de setembro de 2016

"Que possam se doer em paz os que sofrem: por angústias existenciais, desamor ou qualquer coisa que pareça banal. Que possam, simplesmente, silenciar e não sorrir naquele dia. Que possam entrar em contato profundo com o trecho machucado de sua vida, com a garganta magoada pelo choro engolido, com a vontade da desistência. E que, a partir disto, possam qualquer coisa, inclusive decidir o que fazer com isso: pode ser que tanto, pode ser que nada. Mas, sobretudo, que percebam a não obrigação de cumprir o imperativo milenar do “reaja, melhore esta cara, vamos viver!”, pois a vida é esta poça de lama também. Então, que sejam respeitados em sua dor os que sofrem e que não sejam importunados senão por um abraço, ou talvez nem isso. Respeitem seus cansaços. Não cobrem luz da sombra. Que possam se doer em paz enquanto seres sentimentais: ao menos não fizeram uso de anestésicos emocionais."



- Marla de Queiroz

Imagem: Lea Michelle - "Glee"


sexta-feira, 23 de setembro de 2016

"Não subestime o tempo das voltas, nem diminua a leveza nos passos. 
Todo caminho é começo."

- Priscila Rôde


quinta-feira, 22 de setembro de 2016

"É preciso se expor sem medo de dar vexame. É preciso colocar o trabalho na rua. 
É preciso saber ouvir um não e, depois de secar as lágrimas, seguir batalhando. Arriscar, é o nome do jogo. Muitos perdem, poucos ganham. 
Mas quem não tenta, não tem ao menos o direito de reclamar. "

— Martha Medeiros




quarta-feira, 21 de setembro de 2016


"Quando eu era pequeno, durante a guerra, éramos muito pobres e vivíamos em um vilarejo distante. Certo dia, na estrada, encontrei os pedaços partidos de um espelho. Uma motocicleta alemã tinha se acidentado naquele lugar.

Tentei encontrar todos os pedaços e juntá-los, mas não era possível. Então só guardei o pedaço maior. Este aqui, que esfreguei em uma pedra, fazendo-o ficar redondo. Comecei a brincar com ele e fiquei fascinado ao descobrir que podia refletir a luz em lugares escuros, onde o sol nunca brilhava: em buracos profundos, fendas e armários. Aquilo virou um jogo para mim, levar luz aos lugares mais inacessíveis que conseguia encontrar.

Guardei o espelhinho e, à medida que ia crescendo, eu o tirava do bolso nos momentos em que não estava fazendo nada e continuava com o desafio do jogo. Quando virei homem, comecei a entender que aquilo não era só uma brincadeira de criança, mas uma metáfora para o que eu poderia fazer com a minha vida. Acabei percebendo que não sou a luz ou a fonte de luz. Porque a luz – a verdade, a compreensão, o conhecimento – está ali e vai iluminar muitos lugares se eu a refletir.

Eu sou apenas o fragmento de um espelho do qual não conheço a forma nem a finalidade. Mesmo assim, com o que tenho, posso refletir a luz nos lugares escuros deste mundo, sobretudo nos corações dos seres humanos, e posso mudar algumas coisas em algumas pessoas. Talvez outras pessoas me vejam fazendo isso e façam o mesmo. É para isso que eu vivo. É este o significado da minha vida."

- Robert Fulghum in "O espelho"



terça-feira, 20 de setembro de 2016

"Digo às vezes que não concebo nada tão magnífico e tão exemplar como irmos pela vida levando pela mão a criança que fomos, imaginar que cada um de nós teria de ser sempre dois, que fôssemos dois pela rua, dois tomando decisões, dois diante das diversas circunstâncias que nos rodeiam e provocamos. Todos iríamos pela mão de um ser de sete ou oito anos, nós mesmos, que nos observaria o tempo todo e a quem não poderíamos defraudar. Por isso é que eu digo […]: Deixa-te levar pela criança que foste. Creio que indo pela vida dessa maneira talvez não cometêssemos certas deslealdades ou traições, porque a criança que nós fomos nos puxaria pela manga e diria: 'Não faças isso'."

— José Saramago in "As pequenas memórias"

Imagem do filme "Duas vidas"

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

"[...] o catolicismo percebe que há uma vantagem em sermos capazes de ver nossos amigos ideais espalhados pela casa em representações tridimensionais miniaturizadas. Afinal, a maioria de nós começou a vida cultivando relações com ursinhos e outros animais, com os quais falávamos e que tacitamente se dirigiam a nós. Embora imóveis, esses animais eram bastante hábeis em transmitir suas personalidades consoladoras e inspiradoras para nós. Conversávamos com eles quando estávamos tristes e éramos confortados quando olhávamos pelo quarto e os víamos estoicamente resistindo à noite por nós. [...] Em períodos de caos domésticos, podemos olhar para uma estatueta de plástico e internamente perguntar o que São Francisco de Assis recomendaria que disséssemos [...]. A resposta pode estar dentro de nós todo o tempo, mas, em geral, não emerge ou se torna efetiva até perguntarmos formalmente a uma estatueta sagrada".

- Alain de Botton in "Religião para ateus" (pp. 80-81).


domingo, 18 de setembro de 2016

                    "O Senhor dos Anéis (livro e filme) nos seduz. E não é apenas por prometer evasão para uma terra exótica e mágica. Estamos a fim de ir para a Terra Média sobretudo porque, lá, um hobbit comum como a gente teve a chance de mostrar do que ele era capaz.
Tenho um misto de simpatia e desconfiança pelos sonhos de aventuras heróicas, que são tão presentes em todos nós.
Tenho simpatia porque gosto desse mundo, em que o valor de cada um depende de seus atos, e não da nascença ou do tamanho. Assim como gosto que o heroísmo não seja a prerrogativa de uma casta, mas uma chance para o homem qualquer descobrir e afirmar sua grandeza.
Tenho desconfiança porque, à força de esperar que provas extraordinárias nos revelem ao mundo e a nós mesmos, acabamos esquecendo o valor das coisas ordinárias. Celebramos o heroísmo só em aventuras espetaculares e mal sabemos reconhecê-lo na persistência das tarefas difíceis, às vezes repetitivas, do cotidiano".

- Contardo Calligaris


sábado, 17 de setembro de 2016

"Todos nós vamos morrer, que circo!
Só isso deveria fazer com que amássemos uns aos outros.
Mas não faz".

- Charles Bukowski


sexta-feira, 16 de setembro de 2016

"Mas tudo na vida é escolha. E aprendizado. Cada um escreve a sua maneira e tem alguém por aí que pode ser capítulo. Ou introdução. Depende do espaço que você dá. E de como alguém vai escrever história em você."

- Fernanda Mello

Imagem de Christian Schloe


quinta-feira, 15 de setembro de 2016

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

"Sócrates, provavelmente o primeiro grande educador, gostava de usar a expressão grega (claro ...) maiêutica, que significa, literalmente, 'dar à luz', ou seja, ajudar a nascer. Como sua mãe era parteira, Sócrates comparava o trabalho dela com o de um professor. A parteira não faz o parto. O obstetra não pare. Quem pare é a mãe, o próprio filho, a natureza em si. O profissional apoia, orienta, ajuda, atua nas intercorrências, mas o parto em si acontece de maneira natural.
Essa era a  visão do grego com relação à educação. A criança e também o adulto aprendem naturalmente, pois isso faz parte de nossa natureza humana. Ao mestre cabe facilitar o processo. Dar à luz o conhecimento, e assim acender a luz da inteligência, da autonomia, e do futuro. Com simplicidade".

- Eugênio Mussak - Revista Vida Simples. Setembro de 2016.   



terça-feira, 13 de setembro de 2016

“Todo guerreiro já ficou com medo de entrar em combate.
Todo guerreiro já perdeu a fé no futuro.
Todo guerreiro já trilhou um caminho que não era dele.
Todo guerreiro já sofreu por bobagens.
Todo guerreiro já achou que não era guerreiro.
Todo guerreiro já falhou em suas obrigações.
Todo guerreiro já disse "SIM” quando queria dizer “NÃO”.
Todo guerreiro já feriu alguém que amava.
Por isso é um guerreiro; porque passou por estes desafios, 
e não perdeu a esperança de ser melhor do que era."


- Paulo Coelho


segunda-feira, 12 de setembro de 2016

"Quando o olho não está bloqueado, o resultado é a visão.
Quando a mente não está bloqueada, o resultado é a sabedoria.
E quando o espírito não está bloqueado, o resultado é o amor."

- Provérbio chinês


domingo, 11 de setembro de 2016

"[ ...] será que a decepção é o único efeito dos sonhos com os quais embelezamos nossos objetos de amor? [...]
[...] quem nos ama vê em nós alguma qualidade ideal que, de fato, não temos. É bem provável que ele se decepcione (muito ou pouco). Tanto faz, pois o que importa é que, de qualquer forma, sua expectativa nos transformará.
[...] mudamos graças ao amor de quem nos idealiza e, assim, nos estimula a mudar. O amor é o motor de quase todas as nossas transformações".

- Contardo Calligaris


sábado, 10 de setembro de 2016

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

"Há uma primavera em cada vida: é preciso cantá-la assim florida, pois se Deus nos deu voz, foi para cantar! E se um dia hei-de ser pó, cinza e nada que seja a minha noite uma alvorada, que me saiba perder... pra me encontrar."

- Florbela Espanca





quinta-feira, 8 de setembro de 2016

"Em "Titanic", você prefere ser Di Caprio salvando sua bela ao preço da vida? Ou Kate Winslet, guardiã da lembrança de um amor que nunca teve o tempo de vingar? Seja como for, são idealizados o sacrifício e o luto, não o convívio de um casal apaixonado.

Repita esse tipo de análise com qualquer filme. Por exemplo, na linha "Love Story"-"Moulin Rouge", a paixão vem com a garantia de uma morte anunciada. O ideal não é o convívio amoroso, mas o charme da viuvez inconsolável ou então a idéia de sobreviver como lembrança indelével na memória de quem fica.
Às vezes a história acaba bem, com o casal encaminhando-se para amanhãs radiosos. Como em Cinderela, viverão felizes para sempre. Mas você reparou que isso acontece sempre fora da tela? Quando um casal consegue se juntar, a história acaba.

Em suma, o que é idealizado nunca é o convívio, mas a perda, a saudade, o luto ou, no máximo, a procura. [...]
O ideal não é o convívio com o outro amado, mas sua falta (atual, antecipada ou saudosa). A figura de nossos devaneios não é um casal, mas o sujeito solitário dignificado pela perda, pelo anseio ou pela renúncia -e, por isso, sedutor.
Não estranha que não sonhemos com a presença do outro. Afinal, a insatisfação e a falta estão sempre inscritas em nossos corações, e o contentamento com o que temos é destinado a parecer ridículo." 


Contardo Calligaris in "O ideal de amor romântico está em que filme?


quarta-feira, 7 de setembro de 2016

terça-feira, 6 de setembro de 2016

"A vida se retrai ou se expande 
na proporção da nossa coragem".

- Anais Nin


segunda-feira, 5 de setembro de 2016

domingo, 4 de setembro de 2016

"A verdade é bela, não importa qual seja. Mesmo que seja assustadora ou má. 
É a beleza simplesmente porque é verdade. E a verdade é radiante. 
A verdade nos faz ser nós mesmos. E eu quero ser eu."

- Ava Dellaira in "Cartas de amor aos mortos"




sábado, 3 de setembro de 2016

"A saudade é o bolso onde a alma guarda aquilo que ela provou e aprovou. Aprovadas foram as experiências que deram alegria. 
O que valeu a pena está destinado à eternidade. 
A saudade é o rosto da eternidade refletido no rio do tempo."

- Rubem Alves



sexta-feira, 2 de setembro de 2016

"São os olhos, exatamente os olhos, que eu mais ouço. 
A vida tem me ensinado, ao longo da jornada, que as palavras muitas vezes mentem. 
Os olhos, geralmente, não desmentem o que diz o coração."

- Ana Jácomo


quinta-feira, 1 de setembro de 2016

"Em geral, quando as separações acontecem porque acusamos nosso parceiro de ser um obstáculo em nossa vida, o prognóstico é péssimo. Se o outro era a tela na qual eu projetava impedimentos que eu mesmo invento, é quase garantido que projetarei os mesmos impedimentos que eu mesmo invento, é quase garantido que projetarei os mesmos impedimentos no parceiro de minha próxima relação. Em vez de separar-se, seria melhor se dar o tempo e a coragem de aproveitar o dissídio e lidar com aquela parte de mim que me incomoda e que meu parceiro me faz o favor de encarnar.
[...] Se eu me queixo de que o outro me impede de ser rei da China, muito bem, é minha projeção; melhor perseverar e, quem sabe, descobrir, na briga, por que eu não me mudei para Pequim. Mas, se meu parceiro se queixa de que tenho o extravagante desejo de ser rei da China, o casal está próximo de sua falência.
Pois, afinal, um casal existe para ampliar, não para limitar o campo do que cada um é capaz de sonhar.
A união, como prega o ditado, deveria fazer a força".

- Contardo Calligaris



"Vivemos como se houvesse um tempo extra para colocar em dia a ajuda negada a alguém, o trabalho feito às pressas, o amor que nos recusamos doar, ou a oportunidade passada despercebida. 
E nos esquecemos que os dias não nos são devolvidos. 
O tempo extra é hoje. A vida é feita de agoras."

Wanderly Frota