Total de visualizações de página

domingo, 25 de fevereiro de 2018

"O alimento para o aqui e o agora é encontrado no passado. 
Coisas boas acontecerão novamente. Momentos de beleza, leveza e alegria vivem para sempre. [...] Eu podia encontrar tais 'momentos de eternidade dentro do nunca' e usá-los como um consolo para minha dor e  como uma promessa para o meu futuro. [...]
As pessoas costumam falar da importância de viver o aqui e o agora e demonstram inveja das crianças que aproveitam seus momentos de prazer sem se apegarem ao passado ou se preocuparem com o futuro. Ótimo, concordo. Mas é a experiência - a vida vivida - que nos permite lembrar de momentos que nos dão força. Nossa sobrevivência como espécie está ligada à nossa capacidade de nos lembrarmos (que frutas não comer; ficar longe dos animais com dentes de sabre; ficar perto do fogo, mas não tocá-lo). Mas a sobrevivência do nosso eu interior também depende das memórias. Por que temos narizes tão aguçados? Cheiro uma planta e desmaio de alegria. Por quê? Por causa das várias horas agradáveis que passei aos pés de uma árvore de Natal. O cheiro de pipoca é tão atraente por causa dos filmes que assisti comendo pipoca. [...]
Passado e presente juntos têm esperança no futuro".


- Nina Sankovitch em "O ano da leitura mágica" (p. 40-41)


sábado, 24 de fevereiro de 2018

"Ninguém se zanga com um burro porque ele não sabe cantar, pois a constituição
 de um burro nunca lhe deu uma chance de fazer algo que não fosse zurrar.
Da mesma forma, não se pode culpar um amante por amar ou não amar, pois
é uma questão além da sua escolha e, portanto, além de sua responsabilidade 
- embora o que torne a rejeição no amor mais difícil de suportar do que burros
que não sabem cantar é que um dia o amante foi visto amando.
É mais fácil não culpar o burro por não cantar porque ele nunca cantou,
mas o amante amou, talvez há bem pouco tempo, o que torna a realidade
da afirmação Eu não te amo mais ainda mais difícil de digerir".

- Alain de Botton em "Ensaios de amor" (p. 170-171).



sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

"[...] finalmente conclui que talvez a vida se resuma a isto: muito desespero,
 mas também estranhos momentos de beleza, momentos em que a vida
 já não é a mesma ... nem nunca será".

- Muriel Barbery em "A elegância do ouriço"



quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

"Se você não usa seu tempo para construir a vida que deseja, mais cedo ou mais tarde
 será forçado a gastar mais tempo ainda para lidar com uma vida que não gosta".

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

"As palavras têm vida e a literatura se torna uma fuga,
não da vida, e sim para dentro da vida".

- Cyril Connolly, citada por Nina Sankovitch em "O ano da leitura mágica"


terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

"Apaixonar-se é uma coisa louca. É uma espécie de loucura social permitida". - Her

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

"Precisamos de livros que nos afetem como um desastre,
 que nos deixem profundamente tristes como se alguém tivesse morrido,
alguém que amássemos mais do que a nós mesmos,
como se nos perdêssemos de todos numa floresta, como um suicídio.
Um livro tem de ser uma rachadura no oceano congelado que temos dentro de nós".

- Franz Kafka


domingo, 18 de fevereiro de 2018

"A solidão te ensina a não se sujeitar a qualquer companhia" - Sebastian Hoyer

sábado, 17 de fevereiro de 2018

"Tudo tem sua hora na vida: a hora de chegar, a hora de permanecer e de partir. 
Uma metade da vida é para subir a montanha e gritar aos quatro ventos: 'Eu existo!'. E a outra metade é para o declínio até o vazio, onde tudo é desprender-se, 
alegrar-se e celebrar. A vida tem seus assuntos e seus ritmos 
sem deixar de ser o sonho que sonhamos".

- Joan Garriga Bacardí em "Onde estão as moedas?" (p. 20).


sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

"Sei, hoje, que o amor é uma força poderosa o bastante para sobreviver à morte e que a generosidade é a maior ligação entre mim e o restante do mundo. [...]
Não há consolo para a dor de perder alguén que se ama nem deveria haver. A dor não é uma doença ou uma calamidade. É apenas a única reação possível à morte de uma pessoa amada e uma afirmação do quanto damos valor à própria vida, por todas as suas maravilhas, emoções, beleza e alegria.
Nossa única solução para a dor é viver. Viver olhando para trás, lembrando as pessoas que perdemos, mas também seguindo adiante com ansiedade e entusiasmo. E repassar esse sentimento de esperança e possibilidade por meio de gestos de bondade, generosidade e compaixão".

- Nina Sankovitch em "O ano da leitura mágica" (p. 211).




quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

"Talvez seja verdade que não existimos de fato até que haja alguém
 para nos ver existindo, não conseguimos propriamente falar 
até que haja alguém que possa compreender o que estamos dizendo, 
em essência, não estamos completamente vivos até sermos amados".

- Alain de Botton em "Ensaios de amor" (p. 107-108).




quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

"Sêneca relata em suas cartas para Lucilo que 'não se pode ser feliz quando se vive só para si mesmo, quando tudo se faz em interesse próprio. Na verdade, só se vive para si quando se vive para os demais'. O que nos cura é abraçar em nosso coração nossos pais, e não tanto ser abraçado por eles. Isso é bom, claro, mas não é o objetivo. O essencial é que abracemos, e que neste abraço acolhamos os demais, a vida tal como ela é, os feitos e nós mesmos".

- Joan Garriga Bacardí em "Onde estão as moedas?" 


terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

"O melhor presente que podemos oferecer ao mundo é nossa própria transformação".

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

"Não ser amado é falta de sorte, mas não amar é a própria infelicidade" 
- Albert Camus

domingo, 11 de fevereiro de 2018

"Resista.
Ainda que pareça impossível de superar.
Ainda que isso pareça te esmagar todo dia.
Ainda que o desespero tente te fazer parar.
Aguente mais um pouco, não desista de você por nada, por ninguém.
A dor é a onda que passa.
Você é o mar que fica".

- A menina e o violão

sábado, 10 de fevereiro de 2018

"O ano da leitura mágica" (2011) é um relato de Nina Sankovitch, que, vivenciando um processo de luto após perder sua irmã mais velha por câncer, se propõe a ler um livro por dia durante um ano, "em busca de consolo, fuga e introspecção. [...] A leitura, ela descobre, pode ser uma ótima terapia".

Com várias citações maravilhosas e referências para próximas leituras, adorei este livro, que encontrei no final do ano em uma resenha de uma página de revista antiga e encomendei na Estante Virtual.  

"As palavras têm vida e a literatura se torna uma fuga, não da vida, e sim para dentro da vida" 
- Cyril Connolly


sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

"A única coisa que impede o homem de voar não é a falta de asas, mas a ausência de sonhos".

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

"Os livros amam todos os que os abrem, eles lhe dão segurança e amizade e não pedem nada em troca; eles nunca se vão, nunca, nem quando você os trata mal. Amor, verdade, beleza, sabedoria e consolo contra a morte. Quem disse isso? Alguém que também amava os livros".

- Cornelia Funke em "Coração de tinta"


quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

"Muitas vezes, o sentir-se sem chão é uma grande oportunidade para aprender a voar"

terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

"Ela era mesmo uma graça (pensou o amante, no auge do julgamento subjetivo).
Mas como eu poderia dizer a ela isso de forma que sugerisse a natureza distintiva 
de minha atração? Palavras como amor ou dedicação ou paixão
estavam exauridas pelo peso de sucessivas histórias de amor,
pelas camadas impostas a elas pelo uso dos outros.[...]
Parecia não haver meio de transportar o amor para a palavra A-M-O-R 
sem usar associações mais banais. [...]
Não era dever meu ser autor de meus próprios sentimentos?
 Não tinha de construir uma declaração de amor tão única
quanto Chloe era única?[...] 
Até mesmo de forma mais inexplicável, quando peguei a mão de Chloe,
falei que tinha algo muito importante a lhe dizer, que eu a marshmallava,
ela pareceu entender perfeitamente, respondendo que era a coisa mais doce
que alguém já havia lhe dito.
E dali por diante, o amor foi, pelo menos para mim e Chloe,
não mais simplesmente amor, era um objeto fofo e açucarado
de poucos milímetros de diâmetro que derrete deliciosamente na boca".


- Alain de Botton em "Ensaios de amor" (p. 85-87).




segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

"Faça. Vão te criticar da mesma forma."

domingo, 4 de fevereiro de 2018


“A vida é um ato de fé.
Ela não ganha força com o suspiro da hesitação.
A felicidade requer pulmões inflados de coragem!”
- Lígia Guerra


sábado, 3 de fevereiro de 2018

"Você importa para mim. Lendo essas palavras, achei que meu coração explodiria. Eis o xis da questão em relação ao amor: uma pessoa importando para a outra, uma existência que é importante em meio a todas as outras vidas. Uma pessoa pode significar algo individual e especial. Não somos intercambiáveis. Somos únicos na maneira como somos amados.
[...] 'você importa para mim' significa que o fardo foi aceito e que até mesmo se está disposto a carregá-lo: eu o carregarei, abraçarei e aplaudirei daqui por diante. Dependência: estarei aqui para cuidar de você. E, quando você morrer, estarei aqui para lembrá-lo".

- Nina Sankovitch em "O ano da leitura mágica" (p. 124).


sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

"De nada vale cativar, se não for para cultivar."

quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

"O que reprovamos nos aprisiona, e só o que amamos nos liberta" - Joan Garriga Bacardí

quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

"Fisicamente, habitamos um espaço, mas, sentimentalmente, 
somos habitados por uma memória"
- José Saramago

segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

"Desistir - de alguém, de alguma situação, de algum sonho ou plano - é uma das decisões mais difíceis de se tomar. Pois é pacto que a gente faz com a razão, com a necessidade de seguir em frente com menos dor e mais amor próprio; mas nem sempre está de acordo com a emoção, com a parte de nós mesmos que ainda quer viver atada àquele lugar que já fez parte do que somos".

- Fabíola Simões


domingo, 28 de janeiro de 2018

"A vida ganha mais significado quando você entende que nunca viverá o mesmo momento duas vezes" 

sábado, 27 de janeiro de 2018

Yolanda Benet, entrevistada pela revista Marie Claire, deu um depoimento sobre a canção:
"Conheci Pablo na casa de um amigo comum, em Havana. Eu tinha 23 anos e era continuísta de cinema. Casualmente, três dias depois começamos a trabalhar juntos em um filme e nos apaixonamos. Pablo compôs 'Yolanda' quando nossa primeira filha tinha dez dias. Ficou chateado por ter de viajar. Quando regressou, trouxe a canção. Eu estava com Linn nos braços, dando-lhe o peito, e ele me disse: 'Olha o que fiz para você'. Pegou o violão e cantou 'Yolanda'. É uma sensação inesquecível. Não posso traduzir a emoção que até hoje sinto quando me recordo dessas coisas. Nunca houve momento mais importante em minha vida. Ali estava resumido tudo o que ele sentia, todo o amor que sentíamos um pelo outro. Foi muito emocionante.
Pensei que aquela canção era algo íntimo, que só eu poderia compreender o que Pablo estava dizendo. Mas parece que ele fez com tanto amor que todos são capazes de entender. É uma música que se canta no mundo inteiro. Ele já quis tirá-la do repertório e nunca conseguiu. É impressionante como as coisas do coração transcendem. Ao mesmo tempo, sinto que cada pedacinho da letra é um pedacinho do que vivemos. A letra é algo muito pessoal para mim, falar sobre ela é como falar de minha intimidade, até me incomoda.
Nunca deixei de ser amiga de Pablo. Entre nós nunca existiram rancores. Duas de nossas filhas são cantoras. Há pouco tempo cantaram a canção em um show com o pai, em duas vozes. Me acabei em lágrimas. Sempre me emociono com a música, sobretudo quando a cantam bem. Gosto da versão brasileira, de como Simone e Chico Buarque cantam".



sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

"Escolha as pessoas que escolhem você"