Total de visualizações de página

sexta-feira, 20 de setembro de 2019

"Quando não se sentir pronto, lembre-se: ninguém está. Crescer é um processo".

quinta-feira, 19 de setembro de 2019

O mágico de Oz

Publicado pela primeira vez em 1900, este é um clássico da literatura e do cinema. E além de encontros e do valor da amizade, Baum mostrava que às vezes nós temos tesouros dentro de nós, mas precisamos que alguém de fora nos valide isso. 

“-Você não pode me dar um cérebro? - perguntou o Espantalho.
- Você não precisa, todos os dias você aprende algo novo. Os bebês têm cérebro, mas não sabem quase nada. A experiência é a única coisa que traz o conhecimento, e quanto mais tempo você vive, mais experiência você adquire.
- Isso pode até ser verdade [...]. Mas eu vou ficar muito infeliz se você não me der um cérebro.
[...] - E a minha coragem? - perguntou o Leão, ansioso.
- Você tem coragem de sobra - respondeu Oz. - Você só precisa confiar mais em si mesmo, não há ninguém no mundo que não sinta medo ao enfrentar o perigo. A verdadeira coragem consiste em enfrentar o perigo mesmo que sinta medo, e você tem esse tipo de coragem.
- Pode ser que seja assim [...]. Na verdade, ficarei muito frustrado se você não me der essa coragem que faz o medo desaparecer.
[...] - E o meu coração? - perguntou o Homem de Lata.
- Bem, em relação a isso, acredito que você esteja errado por querer tanto um coração. Ele deixa as pessoas infelizes; tenho certeza de que você tem muita sorte por não possuir um” (p. 75-76). 

A jornada de Dorothy ensina também que o que aprendemos pelo caminho importa mais do que a chegada.


quarta-feira, 18 de setembro de 2019

"Perdoar não é esquecer. Perdoar é se lembrar sem se ferir.
Isso é cura. Por isso é uma decisão, não um sentimento".

segunda-feira, 16 de setembro de 2019

"Eu não vou ficar preso no que poderia ter sido ou deveria ter sido. 
Vou olhar para o poder e a possibilidade do que é agora".

sábado, 14 de setembro de 2019

"Porque eu tenho um varal de esperanças na porta da frente do coração e vento nenhum carrega"

sexta-feira, 13 de setembro de 2019

"Bom dia, sexta-feira! 
Para hoje: na incerteza do amanhã, escolha o hoje para ser feliz."

quarta-feira, 11 de setembro de 2019

"No final do dia, quando você deitar na sua cama, fechar os olhos e respirar fundo, quando o peso do dia cair sobre seus ombros, só você estará ali. Mesmo que a casa esteja cheia, mesmo que você tenha alguém do seu lado, a sua dor é somente sua. Só você sente de verdade, só você sabe o que é melhor para si. Então, se trate com amor, cuide do seu coração, da sua saúde mental. Você precisa entender que você é o bem mais precioso que possui, e que precisa se dar o devido valor".
- Emanueli Maria Zanoni     

segunda-feira, 9 de setembro de 2019

Regras da vida: Como parar de adiar as coisas

1. Admita que você procrastina.
2. Liste e evite o que distrai você.
3. Divida seu objetivo em pequenas metas.
4. Estabeleça uma rotina de bons hábitos.
5. Equilibre o tempo entre trabalho e lazer.
6. Recompense o seu progresso com coisas que gosta.
7. Acredite! Feito é melhor que perfeito. 

domingo, 8 de setembro de 2019

"Seja você mesmo mas não seja sempre o mesmo".

sábado, 7 de setembro de 2019

"As pessoas não são obrigadas a entender os nossos erros. Mas nós somos obrigados a nos perdoar e não repetí-los. Só assim, livres dos pesos do passado, estaremos prontos para novos voos".
- By Nina  

sexta-feira, 6 de setembro de 2019

"Dê mais um passo, trace um novo caminho, aprenda com seus erros,
não repita o que um dia te machucou, e tente mais uma vez.
Você é forte, sei que conseguirá".

quinta-feira, 5 de setembro de 2019

"Como fazer um amigo de verdade
1. Ame sem exigir nada em troca.
2. Aceite os defeitos dele - e não disfarce os seus.
3. Compre as brigas dele como se fossem suas.
4. E torça pelas vitórias, porque são suas também.
5. Divida com ele tudo o que você mais ama.
6. Esteja presente nos momentos difíceis.
7. Façam juntos coisas que dão boas histórias".

quarta-feira, 4 de setembro de 2019

"Eu aprendi que todos querem viver no topo da montanha, mas toda felicidade
e crescimento ocorre quando você estava escalando-a".
- Shakespeare

terça-feira, 3 de setembro de 2019

"Seus sonhos não precisam de plateia, eles só precisam de você".
- Daniel Duarte de"Siga os balões"

segunda-feira, 2 de setembro de 2019

- Apanhei dos meus pais e não fiquei com nenhum trauma.
Diz a moça que logo em seguida fala que não gosta de multidões e tem dificuldades para interagir.
Diz a mulher que admite ter se envolvido em relacionamentos abusivos durante toda a vida.

- Apanhava uma vez só e aprendia a lição.
Diz o homem casado que aprendeu a mentir para evitar as responsabilidades e mente compulsivamente sobre coisas banais, destruindo a confiança que deve haver entre o casal.
Diz o jovem executivo que sofre de crises de pânico antes de reuniões, para as quais ele precisa estar medicado para participar.

- Apanhei dos meus pais e não tenho nenhuma mágoa.
Diz a pessoa que hoje não sabe expressar seu descontentamento, que não consegue falar sobre seus sentimentos, e aceita até o inaceitável de familiares e amigos porque não consegue entrar em um debate saudável e nem defender sua própria opinião.

- Apanhei dos meus responsáveis e sou grato a eles.
Diz a pessoa que desconfia de todos, acredita que todos estão falando mal ou armando contra ela! Que sente que o azar está sempre a espreita.

- Apanhei e me tornei uma boa pessoa.
Diz com orgulho a boa pessoa que acredita que não merece coisas boas e se auto boicota sem perceber.

- Apanhei e estou bem.
Dizem todos que defendem que crianças são os únicos seres vivos que merecem apanhar para aprender, sem perceberem que perpetuar o ciclo da violência é um dos principais sinais de que não se está nada bem...

"Ahhh... Mas quer dizer que todo problema que a pessoa tiver terá sido porque ela apanhou?"
Não.
Claro que não, diminua os batimentos cardíacos e termine a leitura.
Sempre existem as exceções.

De modo geral, o que estou dizendo é que ser educado com violência e agressividade durante a infância pode deixar marcas que são levadas para a vida adulta.
Ser educado com violência e agressividade pode causar padrões de comportamento, imperceptíveis racionalmente, que causam danos na vida profissional e afetiva da pessoa.
Quando a pessoa apanha na infância rompe-se o elo da entrega e da confiança.
Dor e confusão se misturam em uma compreensão distorcida do que é amor.
Não significa que a pessoa, necessariamente, vai refletir isso na relação com os pais (às vezes sim), na maioria das vezes ela irá refletir isso em sua relação com outras pessoas e com a própria vida.

A criança que apanha não deixa de confiar em seus pais, deixa de confiar em si mesma.
A criança tratada com violência e agressividade não deixa de amar seus pais, ela deixa de acreditar que merece SER amada.
E esta criança cresce, tornando-se o adulto que traz dentro de si as marcas dessas violências.

Entender o que uma educação violenta pode causar não se trata de ingratidão, seus pais fizeram o melhor que podiam com aquilo que era possível na época deles.
Perceber que educar e bater não combinam não se trata de encontrar culpados, na verdade, se trata de auto responsabilização, se trata de escolher conscientemente o que fazer com aquilo que te fizeram.
Apanhou e se identificou?

Então este texto é para você, apenas reaja com vontade, rompa o ciclo da violência, perdoe-se, compreenda-se, aceite-se, acredite novamente que merece ser amado.

Apanhou e está bem?

Ok... Então este texto não é para você, apenas reaja sem violência.

Luzinete R. C. Carvalho


domingo, 1 de setembro de 2019

sábado, 31 de agosto de 2019

Livro ___________ A cura do ciúme

Você conhece alguém que sofre muito por ciúmes? 
Ou alguém que sofre com os ciúmes excessivos de outra pessoa?
Quem sabe você mesmo tem sido vítima deste sentimento ... 

Leahy é um autor da Terapia Cognitivo Comportamental que escreve livros muito didáticos para o público (ele já abordou depressão e ansiedade, entre outros). 

Neste livro, ele oferece um olhar ampliado sobre o ciúme e pode ajudar a compreender essa emoção universal - mas também dá dicas para aprender a confiar e a ter uma comunicação mais saudável com @ parceir@. 

"Quase todas as pessoas já sentiram ciúme em algum momento ou tiveram pensamentos de ciúme de um cônjuge, parceiro íntimo, amigo, irmão ou outro familiar.[...] o ciúme é normal, tão humano quanto o amor e o medo. [...] Experimentamos isso porque nos sentimos conectados a alguém de maneira especial. Então, se esse vínculo está em risco, podemos nos sentir ameaçados ou ofendidos. Raramente sentimos ciúme em um relacionamento superficial - portanto, ele pode ser um sinal de que alguém é importante.Contudo, [...] O ciúme pode criar problemas reais para nós" (p. 01-02). 

"Ciúme não é uma emoção única - é uma mistura de muitos sentimentos confusos e poderosos, como raiva, ansiedade, medo, confusão, excitação, impotência, desesperança e tristeza" (p. 10). 

"Experiências da infância e ao longo de sua vida podem compor o cenário para desconfiança, preocupações com traição e o sentimento de que não pode mesmo confiar nas pessoas. Se seus pais ameaçavam separação, se houve doença na família - ou morte -, você pode ter desenvolvido a crença de que as pessoas em quem confia irão deixá-lo. Seus temores ciumentos de hoje podem refletir danos emocionais do passado" (p. 25).

 "Como comunicar seu ciúme a seu parceiro:
1. Reconheça que você tem um problema com ciúme.
2. Valide que isso tem um efeito negativo em seu parceiro. 
3. Demonstre compaixão com o parceiro acusado.
4. Peça orientação: 'Quando estou sentindo ciúme, como devo lhe comunicar isso para que não se sinta acusado?'
5. Veja se seu parceiro pode validá-lo e confortá-lo.
6. Concorde que você pode sentir ciúme sem precisar tomar uma atitude" (p. 139). 

#livros #ciúmes


sexta-feira, 30 de agosto de 2019

"Felizes daqueles que sabem deixar uma marca bonita na alma dos outros"

quinta-feira, 29 de agosto de 2019

"Nossas vidas começam a terminar no dia em que permanecemos em silêncio 
sobre as coisas que importam".

quarta-feira, 28 de agosto de 2019

"Se reconstrua quantas vezes forem necessárias, mas nunca deixe de ser você".

terça-feira, 27 de agosto de 2019

segunda-feira, 26 de agosto de 2019

"O destino não é tão importante quanto a jornada".

domingo, 25 de agosto de 2019

"A GENTE MORRE e fica tudo aí, os planos a longo prazo e as tarefas de casa, as dívidas com o banco, as parcelas do carro novo que a gente comprou pra ter status.

A GENTE MORRE sem sequer guardar as comidas na geladeira, tudo apodrece, a roupa fica no varal.
A GENTE MORRE, se dissolve e some toda a importância que pensávamos que tínhamos, a vida continua, as pessoas superam e seguem suas rotinas normalmente.

A GENTE MORRE e todos os grandes problemas que achávamos que tínhamos se transformam em um imenso vazio. 
Não existem problemas, os problemas moram dentro de nós. As coisas têm a energia que colocamos nelas e exercem em nós a influência que permitimos.

A GENTE MORRE e o mundo continua caótico, como se a nossa presença ou ausência não fizesse a menor diferença.
Na verdade, não faz.
Somos pequenos, porém, prepotentes. Vivemos nos esquecendo de que a morte anda sempre à espreita.

A GENTE MORRE, pois é.
É bem assim: Piscou, morreu.
O cachorro é doado e se apega aos novos donos.
Os viúvos se casam novamente, fazem sexo, andam de mãos dadas e vão ao cinema.

A GENTE MORRE e somos rapidamente substituídos no cargo que ocupávamos na empresa. 
As coisas que sequer emprestávamos são doadas, algumas jogadas fora.

Quando menos se espera... A GENTE MORRE. 
Aliás, quem espera morrer?
Se a gente esperasse pela morte, talvez a gente vivesse melhor.
Talvez a gente colocasse nossa melhor roupa hoje, fizesse amor hoje, talvez a gente comesse a sobremesa antes do almoço.
Se a gente esperasse pela morte, talvez a gente perdoasse mais, risse mais, saísse a tarde para ver o mar, talvez a gente quisesse mais tempo e menos dinheiro.

Quem sabe, a gente entendesse que não vale a pena se entristecer com as coisas banais, ouvisse mais música e dançasse mesmo sem saber.

O tempo voa. 
A partir do momento que a gente nasce, começa a viagem veloz com destino ao fim - e ainda há aqueles que vivem com pressa - sem se dar o presente de reparar que cada dia a mais é um dia a menos, porque A GENTE MORRE o tempo todo, aos poucos e um pouco mais a cada segundo que passa."

- Carlos Drummond de Andrade


sábado, 24 de agosto de 2019

"Abra mais os braços do que a boca. O mundo tá cheio de opinião e muito pouco afeto".

sexta-feira, 23 de agosto de 2019

Yalom traz dez histórias de pacientes que ressignificam suas experiências de vida, principalmente diante da perda de um ente querido, do envelhecimento ou de um diagnóstico letal.

“Estou dizendo que prever fins pode nos incentivar a agarrar o presente com mais vitalidade” (p. 35).

“Para mim, uma das piores coisas sobre a morte é que, quando eu morrer, meu mundo inteiro (quer dizer, meu mundo de lembranças, esse mundo rico povoado por todos que já conheci [...]) desaparecerá comigo. Simples assim. Nas últimas semanas venho esvaziando caixas de velhos jornais e fotos. Olho para eles, talvez uma foto de alguma rua do meu bairro de infância ou algum amigo ou parente que nenhuma outra pessoa viva conheceu, e jogo fora. Sempre que faço isso, algo treme por dentro quando vejo pedaços de meu velho mundo real se desfazendo” (p. 47).

“Parece paradoxal, mas com frequência a perda daqueles com quem tínhamos relacionamentos gratificantes é mais fácil do que daqueles com quem tanta coisa era insatisfatória, com quem havia tantas questões em aberto” (p. 63).

“Observei repetidamente que o grau de terror da morte experimentado está relacionado ao grau de vida não vivida” (p. 70).

“Tudo que posso oferecer numa sessão é ser real, saltar para dentro da vida do paciente, oferecer observações na esperança de que ele seja capaz de abrir portas e explorar algumas partes novas de si na terapia em andamento” (p. 93).

“Quero ouvir que não tenho de dar as costas aos pensamentos sobre sofrimento ou morte, mas que também não tenho de dispensar tempo demais para eles. Quero aceitar que a vida é temporária e, à luz (ou à sombra) desse conhecimento, saber vivê-la. Viver agora” (p. 139).

“Lembro que um dia fomos assistir a corrida de cavalos. Fiquei surpresa com o fato de Billy não fazer uma aposta. Quando perguntei o motivo [...] disse que já havia consumido sua sorte vencendo na loteria da vida; que, entre milhões de espermatozoides, ele teve a sorte de pegar o bilhete premiado. [...] disse que devia à loteria da vida o fato de não jogar fora seu dinheiro nem querer o dos outros, pois preferia usá-lo para viver a vida em sua plenitude” (p. 147).



quinta-feira, 22 de agosto de 2019

"A vida é muito interessante. No final, algumas das suas maiores dores 
se tornam suas maiores forças".

quarta-feira, 21 de agosto de 2019

"Você não consegue ver o seu próprio reflexo olhando para a água quando ela está fervendo, assim como você não consegue enxergar a verdade quando está com raiva".

terça-feira, 20 de agosto de 2019

Sobre empatia

Parece empatia, tem cheiro de empatia ... mas não é!
Uma das palavras mais utilizadas ultimamente, a empatia pode ser resumida na ideia da habilidade de sentir como as outras pessoas sentem.

De acordo com Krznaric, no livro "O poder da empatia", ela "é a arte de se colocar no lugar do outro por meio da imaginação, compreendendo seus sentimentos e perspectivas e usando essa compreensão para guiar as próprias ações" (p. 10).
Mas o autor destaca que certa compreensão da empatia também tem um risco: alguns usarão a sua visão de mundo para avaliar a experiência alheia, e fazem aquilo que gostariam que fosse feito caso estivessem no lugar do outro, supondo que suas necessidades seriam iguais às suas. Isso não é ser empático/empática.
Quando alguém diz: "Eu lidei com uma experiência tão difícil quanto essa e superei, tenho certeza que você também irá conseguir!", é importante lembrar que cada dificuldade ou perda será sempre única, pois, cada pessoa tem sua história. Ao dizer "Eu sei como você se sente" estamos na verdade fazendo um julgamento e reduzindo um sofrimento individual.
Por exemplo: eu perdi meu pai há quatro anos e não pude me despedir dele. Todas as pessoas que perderam o pai lidaram com seu luto da mesma forma, tiveram o mesmo tempo de enlutamento e passaram pelo mesmo processo que eu? Posso me comparar com alguém que perdeu o pai por um um câncer, ou que perdeu um filho por suicídio, apenas porque passei por uma experiência de luto?
O mesmo tipo de experiência poderá ser vivenciada de milhares de formas diferentes, e não existe o certo ou o errado, mas o possível dentro de cada momento.
A empatia poderá ser demonstrada na escuta, no acolhimento, no não julgamento ... em um abraço que nada diz, além de "Estou aqui".


segunda-feira, 19 de agosto de 2019

"Não avalie o dia pelos frutos que você colheu, mas pelas sementes que você plantou".
- Robert Louis Stevenson

domingo, 18 de agosto de 2019

“Antes de ficar doente, eu nunca estava no lugar em que me encontrava [...]. 
Quantas coisas boas desperdicei por permitir que meus pensamentos 
fossem invadidos por memórias tristes ou contaminados pela ansiedade de planejar
o que deveria ser feito em seguida. A doença me ensinou a viver o presente”.

- Drauzio Varella em "Por um fio", pág. 205.